Crítica: “Projeto Gemini”

Não parece absurdo afirmar que quando a tecnologia alça novos e impressionantes voos, há certa relutância em aceitar seus resultados imediatos. Assim também acontece com os produtos vistos nas telas de cinema, que desde a icônica era dos filmes mudos apresentados em preto e branco, já tiveram avanços que hoje em dia beiram a perfeição sonora e visual.

A nova incursão no mundo das maravilhas tecnológicas atende pelo nome de 3D+ e oferece uma experiência hiper realista ao espectador que consegue visualizar detalhes como as impressões digitais dos personagens e as diferentes camadas de texturas dos mais diversos objetos em cena.

Dirigido por Ang Lee, “Projeto Gemini” (Gemini Man) escreve seu nome como precursor dessa evolução usar recursos inéditos para contar a história de Henry Brogan (Will Smith), exímio atirador que, prestes a se aposentar aos 50 anos, vê sua vida ser posta em risco por alguém quase tão eficiente e letal quanto ele.

A surpresa maior nem se dá pelo fato de estar sendo perseguido, mas por quem se descobre ser seu perseguidor: Junior (Will Smith), um clone de 23 anos, gerado a partir de seu DNA, concebido como parte de um ardiloso plano arquitetado por Clay Verris (Clive Owen), para criar um exército composto por soldados invencíveis. O personagem é criado 100% digitalmente e conta com a captação de movimento do protagonista.

Quando se tira o elemento – até que se prove o contrário fantasioso – da existência bem-sucedida de um clone humano, o que sobra é um roteiro sem muito aprofundamento na narrativa, mas que cumpre com eficiência o que geralmente se espera de um filme de ação, entregando boas cenas de luta e perseguição. Destaque para a sequência passada nas Catacumbas de Budapeste – um dos vários cenários vistos durante a narrativa -, que inclui uma ótima cena debaixo d’água.

Por outro lado, desde o princípio é clara a preocupação em se criar um espetáculo visual que chega a “assustar” em determinados momentos, já que mostra um detalhamento ao qual não estamos habituados em nossa vida real. As cores são mais vivas, a profundidade é maior, tudo ganha uma nitidez incomparável, graças ao processo de filmagem de 120 quadros por segundo – em comparação aos 24 tradicionais de hoje em dia. E nesse ponto, o longa também tem êxito na maior parte do tempo.

Como já era de se imaginar, ainda que o elenco conte com nomes como Mary Elizabeth Winstead e Benedict Wong (além do já citado Clive Owen), Will Smith tem todos os holofotes em sua direção e sabe conduzir tanto destaque com muita sabedoria. Ao interpretar dois personagens tão distintos – de caráter e idade díspares -, o ator consegue mostrar-se versátil e convence nos dois papéis.

Importante ressaltar que são poucas as salas que têm os recursos necessários para exibir o longa em sua versão 3D+ (a grande maioria vai exibi-lo em 2D ou 3D tradicional), mas é interessante pesquisar onde encontrar alguma disponível, pois isso faz toda a diferença na experiência.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Livraria Martins Fontes promove lançamento do “Dicionário Monstruoso do Folclore Brasileiro” em SP Livraria Martins Fontes promove lançamento do “Dicionário Monstruoso do Folclore Brasileiro” em SP
Shopping Metrô Itaquera promove sessões de fotos com personagens de PJ Masks Shopping Metrô Itaquera promove sessões de fotos com personagens de PJ Masks
Habib’s comemora Dia das Crianças com promoção e brindes especiais Habib’s comemora Dia das Crianças com promoção e brindes especiais
Divulgados trailer legendado e pôster nacional do terror “Os Orfãos” Divulgados trailer legendado e pôster nacional do terror “Os Orfãos”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.