Crítica: Quando o Demônio chama”

Por mais que alguns assuntos continuem parecendo (cada vez mais) clichês em filmes de terror, são eles que têm grande propensão a criar histórias que chamem a atenção do público fã do gênero, em uma espécie de parceria entre o conhecido e o eficaz. O que se amplifica com a frase “Baseado em Fatos Reais”.

Um tema bem recorrente é o que mostra uma família que se muda para uma nova residência (com o sempre temido sótão, tão presente em muitas produções do tipo) – sem nunca fazer uma pesquisa prévia sobre os moradores anteriores – e que acaba tendo problemas que vão de uma vizinhança disfuncional a criaturas/entidades pouco amigáveis que habitam o local (e normalmente não querem a permanência das pessoas lá).

Dirigido e roteirizado por Tord Danielsson e Oskar Mellander, “Quando o Demônio chama” (Andra Sidan / The Other Side / The Evil Next Door) tem uma premissa baseada neste argumento. A trama gira em torno de Shirin (Dilan Gwyn), jovem que assume o nem sempre fácil papel de madrasta do pequeno Lukas (Eddie Eriksson Dominguez), filho de seu namorado Fredrik (Linus Wahlgren).

O desconforto de Shirin diante da nova situação é visível desde a cena inicial e fica ainda mais claro com a convivência diária. Não existe um vínculo afetivo entre ela e Lukas (que perdeu a mãe para o câncer), mas isso terá que superado devido a acontecimentos que podem colocar a vida da criança em risco.

Quando Fredrik precisa se ausentar por alguns dias por causa de seu trabalho, caberá à dupla aprender a lidar um com o outro – o que acontece com mais urgência, quando Lukas começa a conversar com outro garoto de idade próxima a sua, creditando sua presença ao fato de que, supostamente, ele mora na casa.

Tal fato poderia ser encarado como a fase dos amigos imaginários pela qual boa parte das crianças passa, mas logo se percebe que é algo pior: a entidade não está apenas na imaginação do menino e tenciona levá-lo “para o outro lado” (expressão que traduz o título original da produção sueca e que faz todo sentido).

O mais interessante é que o intento se dá literal – porque a casa ao lado da adquirida pelo casal está vazia, em um sofrível estado de conservação e já foi palco do desaparecimento de uma criança – e figurativamente, porque muitos se referem ao fim da vida como a passagem para o outro lado. Simples e certeiro.

Com um ritmo que pode parecer lento para alguns, ainda mais se comparado a obras de terror do estilo blockbuster, “Quando o Demônio chama” alcança maior qualidade nos momentos finais, quando há um bom uso de efeitos visuais e a história ganha contornos mais ágeis.

Vale prestar atenção na sonorização do filme: para mim, os barulhos produzidos pela tal entidade são ainda mais impressionantes do que seu aspecto. Assim como se deve destacar a competência no uso da iluminação, que ajuda a proporcionar momentos de pura tensão.

por Angela Debellis

* Disponível para compra e aluguel. Verifique a disponibilidade nas plataformas: NOW, Looke, Vivo Play, Apple TV, Microsoft e Google Play.

** Título assistido via streaming, a convite da A2 Filmes.

Filed in: BD, DVD, Digital

You might like:

Elite Filmes divulga trailer legendado do premiado terror “Post Mortem” Elite Filmes divulga trailer legendado do premiado terror “Post Mortem”
Espetáculo “Maria da Escócia” estreia no Teatro Cacilda Becker Espetáculo “Maria da Escócia” estreia no Teatro Cacilda Becker
Crítica: “Top Gun: Maverick” Crítica: “Top Gun: Maverick”
DIRECTV GO celebra o Dia do Orgulho Nerd com programação especial DIRECTV GO celebra o Dia do Orgulho Nerd com programação especial
© 0441 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.