Crítica: “Rambo: Até o Fim”

Quando pensamos em filmes de ação da década de 1980, é quase impossível não listar o nome de Sylvester Stallone entre os primeiros destaques. Com “Rambo: Programado para Matar” (Rambo: First Blood) – que em novembro completa 37 anos de seu lançamento -, o ator conseguiu imprimir uma marca que até hoje serve para associar coragem e força.

Depois desse, vieram outros três longas, o que fez com que as histórias do soldado se transformassem em uma franquia de (muito) sucesso. Mas o tempo é implacável e até mesmo quem é programado para matar sofre com a passagem dos anos.

John Rambo está de volta aos cinemas após 11 anos. Em “Rambo: Até o Fim” (cujo título original “Rambo: Last Blood” tem mais sentido ao fazer uma alusão direta e contrária à versão americana de seu capítulo de estreia), o veterano de guerra não está em nenhuma missão perigosa em uma selva com uma faixa vermelha na cabeça ou precisando se camuflar coberto de lama para uma emboscada ao inimigo. O que não quer dizer que sua essência não tenha sido mantida.

O cenário da vez é o Texas, mais precisamente a fazenda que pertencia aos pais do protagonista, na qual mantém um haras e aonde procura levar uma vida bem diferente da que lhe foi imposta por tantos anos. Com ele, vivem Maria Beltran (Adriana Barraza), uma espécie de governanta do local junto à sua neta adolescente Gabrielle (Yvette Monreal), a quem Rambo tem como uma sobrinha – o que significa que vai zelar por ela como se de fato fosse parte de sua família.

Quando a garota parte para o México em busca de explicações do pai que a abandonou ainda criança e é capturada por uma gangue de tráfico humano / prostituição, caberá ao ex-soldado deixar de lado a tênue / duvidosa calmaria que se instaurou em sua rotina para voltar a fazer o que faz de melhor e, acredite: ele faz isso com maestria.

Apesar de ser o filme da série no qual Stallone tem mais diálogos – dos mais triviais a alguns bem mais surpreendentes – a narrativa ganha fôlego quando vemos seus planos para se vingar dos traficantes, com direito a todo tipo de armadilhas e cenas que abraçam livremente o gore (mas que ainda assim conseguem ser celebradas por quem sabe que o personagem tem razão em agir de certas maneiras).

Existe uma satisfação quase imoral em ver o mal sendo desmantelado de forma tão simples e, ao mesmo tempo, tão brilhante – embora haja momentos bem aflitivos durante a projeção, ainda mais porque, ao que consta para o público, este é o capítulo de encerramento da saga.

Quem conhece Rambo de títulos anteriores ou tem alguma mínima noção de sua história, sabe o que esperar. Em nenhum momento a produção pretende ser classificada como altamente reflexiva ou provocativa, mas com os elementos que possui, consegue entregar um resultado bastante satisfatório para quem gosta do gênero de ação pura e absoluta.

Fica a dica: os créditos finais são um deleite para os fãs de longa data, então vale a pena assistir e prestar atenção aos detalhes!

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Livraria Martins Fontes promove lançamento do “Dicionário Monstruoso do Folclore Brasileiro” em SP Livraria Martins Fontes promove lançamento do “Dicionário Monstruoso do Folclore Brasileiro” em SP
Shopping Metrô Itaquera promove sessões de fotos com personagens de PJ Masks Shopping Metrô Itaquera promove sessões de fotos com personagens de PJ Masks
Habib’s comemora Dia das Crianças com promoção e brindes especiais Habib’s comemora Dia das Crianças com promoção e brindes especiais
Divulgados trailer legendado e pôster nacional do terror “Os Orfãos” Divulgados trailer legendado e pôster nacional do terror “Os Orfãos”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.