Crítica: “Robin Hood – A Origem”

Quando o título de um filme é simplesmente o nome do protagonista (ou no caso da adaptação nacional, ganha o adendo “A Origem”), é como se assumisse uma responsabilidade ainda maior de ter qualidade em seu roteiro, já que contar a criação de um personagem pode ser o pontapé inicial para gerar interesse no público, mas também pode ser a pá de cal final na derrocada de uma produção.

No caso de “Robin Hood – A Origem” (Robin Hood), a impressão que dá é que ele está no meio termo dessas duas vertentes. Se não é capaz de despertar grandes paixões na plateia, pelo menos consegue entregar um bom divertimento – se a intenção for assistir a um longa despretensioso e com, em sua maior parte, eficientes cenas de ação.

O protagonista é Robin Loxlay (Taron Egerton), lorde inglês com ar aristocrata e herdeiro de grande fortuna e com ar aristocrata que se apaixona por Marian (Eve Hewson), a quem conhece em um momento pra lá de inusitado: a garota estava roubando um cavalo de seu estábulo, para ajudar na manutenção das contas de um vizinho cujo animal havia falecido.

O casal, que tem uma boa presença em tela, leva uma vida tranquila e cheia de paixão, até que Robin é convocado pelo xerife local (Bem Mendelsohn) para lutar nas Cruzadas, onde passa quatro anos em combate até voltar para Nottingham, quando encontra Marian em outra relação com o pretenso a líder político Will (Jamie Dornan).

Sem bens materiais – tomados pelo xerife após o anúncio de sua morte em combate – e com seu relacionamento destruído, Robin passará a ser treinado por John (Jamie Foxx), homem astuto e bom combatente que conhece durante a batalha, quando tenta (sem sucesso) salvar a vida de seu filho adolescente. A intenção da dupla é fazer justiça para o povo que sofre com o pagamento exorbitante de impostos e, de alguma maneira, também conseguir sua dose de vingança contra os que sentam nas cadeiras do poder para decidir o quanto valem as vidas dos menos afortunados.

No geral, o resultado da produção dirigida por Otto Bathurst é bem aceitável, mas há alguns percalços no meio do caminho que impedem que ela tenha mais êxito. O figurino talvez seja o maior problema, por, em certos momentos, apresentar-se “moderno demais” para a época medieval em que a história se passa. E a opção pelo uso da ação em várias tomadas, parece ter sido a saída encontrada para o pouco aprofundamento de algumas situações e até mesmo de parte dos personagens.

Há uma clara intenção em se realizar uma sequência, pois o final é amplamente aberto e deixa transparecer que há a ideia de se trazer alguns nomes mais à tona e dar o destaque que talvez merecessem desde esse capítulo inicial.

Vale conferir como diversão sem compromisso.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

“The Lighthouse” é eleito pela crítica o melhor filme da Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes “The Lighthouse” é eleito pela crítica o melhor filme da Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes
Arno traz para sua mesa um delicioso Bolinho de Arroz Recheado de Muçarela Arno traz para sua mesa um delicioso Bolinho de Arroz Recheado de Muçarela
Dia do Orgulho Nerd ou Dia da Toalha? As duas coisas! O importante é comemorar Dia do Orgulho Nerd ou Dia da Toalha? As duas coisas! O importante é comemorar
Game inspirado em torneio mundial de Neymar Jr garante encontro com o craque Game inspirado em torneio mundial de Neymar Jr garante encontro com o craque
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.