Crítica: “Simonal”

Wilson Simonal é um nome memorável da música brasileira. Entre as décadas de 1960 e 1970, o jovem negro que saiu da periferia do Rio de Janeiro se tornou um dos maiores artistas da época. Era um verdadeiro Showman, suas apresentações eram completas e lotavam estádios, ele dominava o palco e o público.

Sob a direção de Leonardo Domingues, o longa “Simonal” narra a trajetória profissional do músico, desde os pequenos shows em bares na capital carioca – enquanto construía uma família ao lado de Tereza (Isis Valverde) –  até seu declínio, onde o astro foi seu próprio algoz.

O protagonista do drama é Fabrício Boliveira, ator que está em ascensão e trouxe ao personagem todo swing que era marca registrada do “Rei da Pilantragem”. Muito fiel aos trejeitos e expressões, Fabrício reviveu luta silenciosa do músico para se provar perante a uma sociedade racista e opressora.

O filme é uma viagem no tempo, com figurinos fiéis aos anos retratados, programas de rádio e tevê com auditórios lotados – há algumas passagens com Elis Regina, Jorge Benjor e Erasmo Carlos. A trilha sonora é de Max de Castro e Simoninha, e sucessos como “Meu limão, meu limoeiro”, “Balanço da Zona Sul” e “Nem vem que não tem” fazem parte da seleção.

A carreira de sucesso e a vida de Simonal eram cheias de extravagâncias, tudo que o dinheiro pôde lhe proporcionar é retratado em sua paixão por carros de luxo, a bela mansão, as pensões pagas à família, dentre outros gastos banais. Outro ponto abordado são os casos extraconjugais.

O fim do cantor e compositor se deu quando ele desconfiou que estava sendo roubado por seu contador, e recorreu a contatos no DOPS (Departamento de Ordem Política e Social). O contador foi sequestrado e torturado, forçado a confessar que estava desviando dinheiro, porém quando foi liberto expôs o ocorrido à mídia.

A partir deste ponto, Simonal é acusado juridicamente pelo crime, e numa tentativa de se minimizar os impactos de seus atos, assina um documento – acreditava ser uma espécie de depoimento, contudo posteriormente descobre-se que que a tal declaração dizia que ele era um delator,  e é quando ele passa a ser visto como traidor, não somente pela classe artística e sim por toda a esfera que naquele momento lutava contra ditadura militar.

Uma biografia bem produzida e realista, não há em momento algum tentativa de redenção ou beatificação do homem. Um relato do peso artístico e musical e de toda representatividade do “Rei do Swing“. Um drama nacional, um reforço cultural. Mais um marco das cinebiografias brasileiras.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Editora Skull lança “Até que a Morte nos ampare” Editora Skull lança “Até que a Morte nos ampare”
Museu da Imagem e do Som promove maratona de filmes de terror Museu da Imagem e do Som promove maratona de filmes de terror
Robert Downey Jr. é destaque em vídeo de teste de elenco de “Dolittle” Robert Downey Jr. é destaque em vídeo de teste de elenco de “Dolittle”
Elton John está em êxtase com ‘Rocketman’ no Globo de Ouro Elton John está em êxtase com ‘Rocketman’ no Globo de Ouro
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.