Crítica: “Soul”

Ainda que em épocas e por razões diferentes, é quase impossível crer que existe alguém que nunca se questionou sobre o que nos espera (se é que existe algo) após o término de nossa vida no mundo em que conhecemos. A famosa tríplice questão “Quem somos? Para onde vamos? De onde viemos?” é parte inerente de cada um de nós.

Depois de ter sua estreia nos cinemas adiada várias vezes, até ser cancelada devido à pandemia de Covid-19, “Soul” (Soul) chega à plataforma de streaming Disney Plus e, de maneira sublime traz à tona um assunto que poderia tornar-se pesado, caso o roteiro não fosse bem executado.

Felizmente, a nova produção da Disney / Pixar é formada por uma sucessão de acertos que a transforma em título obrigatório para os fãs de animações que encantam ao mesmo tempo em que fazem refletir.

A narrativa se passa em Nova York e nos apresenta Joe Gardner (voz de Jamie Foxx na versão original), um professor de música que tem como frustração / meta não realizada de vida fazer sucesso nos palcos como pianista de jazz – sonho este acalentado desde a infância, quando foi apresentado ao ritmo por seu pai.

Quando surge a oportunidade de fazer uma audição para tornar-se integrante da banda da famosa jazzista Dorothea Williams (voz de Angela Bassett), o simpático protagonista faz de tudo para obter a vaga, mas um acidente inesperado vai acabar precocemente com suas aspirações.

Parece triste? Realmente é. Mas essa é a grande beleza da animação dirigida por Pete Docter e Kemp Powers (que também escrevem o roteiro ao lado de Mike Jones), que mostra de maneira delicada e inteligente o que seria uma espécie de “pós-vida”, para onde Joe é encaminhado – agora não mais em sua forma humana, mas como uma alma (o que faz total sentido com o curto e eficaz título original – também mantido no Brasil – que pode ser traduzido tanto como alma, como representar um ritmo musical).

Nesse lugar, mais do que existe após, nós acompanhamos o que existe antes da vida propriamente dita. É onde ele recebe a incumbência de se tornar algo como um mentor para uma alma sem nome, chamada apenas de 22 (voz de Tina Fey) – número este que faz alusão a seu lugar na fila de “espíritos” que devem ser preparados para sua chegada no planeta Terra – e que não parece disposta a encarar os desafios de se tornar uma pessoa viva.

A descoberta de que ela está há tanto tempo no local, embora desoladora, também traz ótimos momentos divertidos para a trama, com direito à citação de grandes nomes da história mundial – em sequência vista em partes no trailer divulgado anteriormente. Assim como abre a questão de que não existe nada que seja perfeito, já que, embora muito bonito e agradável, o ambiente não proporciona nenhum tipo de satisfação que seja intimamente ligada à vida terrestre – como o fato de existir comida lá, mas não ser possível sentir o gosto.

A história ganha um ritmo mais ágil quando ocorre algo imprevisto que faz com que Joe e 22 tenham a oportunidade de passar por experiências únicas. Seja a saciedade da fome, a percepção do vento no rosto, a conclusão de que às vezes passamos tanto tempo olhando para o que não temos, que nos esquecemos de aproveitar o que possuímos. São pequenos ensinamentos que podem até parecer clichê em alguns instantes, mas que trazem consigo uma inspiração digna de aplausos.

Cabe ressaltar a eficiência de se apresentar um produto que tem a capacidade de conquistar o público de várias idades. Para os menores, a maneira lúdica com que o espaço que 22 divide com as demais almas é mostrado. Para os mais velhos, a forma gentil de se tratar de questões como a finitude da vida e a necessidade de aproveitar o tempo limitado que temos.

Não que chegue a ser uma novidade, mas é muito bom perceber que a dupla Disney / Pixar acertou de novo. Um imperdível presente de Natal.

por Angela Debellis

Filed in: TV

You might like:

Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind
Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer
Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica
Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro
© 9284 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.