Crítica: “Thor: Amor e Trovão”

Questionar as divindades é um fator comum em momentos de tragédias pessoais, e quanto maior a desgraça, maior a duvida. É claro que em nossa realidade, não temos a presença física e material de seres divinos. Mas como lidar com essa dúvida em um universo em que os deuses se manifestam fisicamente e interagem com seus seguidores?

No caso de Gorr, que não só perdeu tudo, como ao confrontar o deus que venerava, este lhe fez pouco caso, e optou foi matar não só a tal divindade, mas todas as outras, por não proverem devidamente seus seguidores. Este é o antagonista do filme “Thor: Amor e Trovão” (Thor: Love and Thunder), longa no qual o herói epônimo deve confrontar o assassino de deuses e impedi-lo de atingir seus desígnios sombrios.

O filme é mais uma produção de Taika Waititi, que foi responsável por revitalizar Thor (Chris Hemsworth) nos cinemas. E como típico do diretor/roteirista, é repleto de humor, e personagens excêntricos, sendo o próprio protagonista um destes.

Apesar da obra ter Thor como protagonista, duas outras figuras roubam a cena, não só pela qualidade da escrita, mas também como pelos atores extremamente qualificados que os incorporam: o antagonista Gorr, e Jane Foster, que retorna como a Poderosa Thor.

Gorr, em si é um personagem trágico, que vê tudo que crê cair por terra, uma vez que seu deus não só lhe abandona, como tenta matá-lo. A atuação de Christian Bale é fundamental para tornar o vilão não só profundo e sombrio, mas também de certa forma compreensível e carismático.

No entanto, esse fato pode parecer problemático para alguns fãs, uma vez que o roteiro de Waititi e Jennifer Kaytin Robinson se foca mais em momentos cômicos, e o antagonista acaba destoa de todo o resto, por ser um personagem consideravelmente sério, em um filme que não se leva tão a sério assim.

Por sua vez Jane Foster, mesmo que tenha um contexto trágico, se vê melhor encaixada no filme: a personagem é escrita de maneira que abraça a comédia inerente vista em tela, misturando traços divertidos e dramáticos; além disso a atuação de Natalie Portman torna a Poderosa Thor ainda mais carismática, ainda que só pela narrativa já fosse.

O filme também tem visuais incríveis. Não só os efeitos especiais estão de ponta, mas também o uso das cores (ou até mesmo a falta delas), é muito bem pensado. Sem contar que a fotografia é maravilhosa, algo um tanto quanto incomum em títulos cujo foco é a ação.

O elo mais fraco da produção é justamente seu humor, que tem muitas piadas em sua composição. Se comparado a outros filmes mais cômicos da Marvel, o estilo entregue aos espectadores parece menos atraente do que poderia ser, ainda mais porque Taika Waititi também famoso por suas comédias.

No entanto “Thor: Amor e Trovão” atinge seu objetivo: é divertido. Seja pelo humor peculiar, pela ação, ou até pelo vilão interessante, o filme tem tudo para envolver e entreter fãs de super-herói, em particular, os do Deus nórdico do Trovão.

por Ícaro Marques – especial para A Toupeira

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela Disney Studios.

Filed in: Cinema

You might like:

Cultura Inglesa prorroga escape room de Sherlock Holmes com entrada gratuita em São Paulo Cultura Inglesa prorroga escape room de Sherlock Holmes com entrada gratuita em São Paulo
“LEGO Star Wars: Férias de Verão” estreia no Disney+ “LEGO Star Wars: Férias de Verão” estreia no Disney+
Direto da Toca: Assistimos à Comédia Musical “Bom Dia Sem Companhia” Direto da Toca: Assistimos à Comédia Musical “Bom Dia Sem Companhia”
Crítica: “O Palestrante” Crítica: “O Palestrante”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.