Crítica: “Três Verões”

O cinema nacional vem se mostrando cada vez mais dinâmico e criativo no quesito originalidade. Estrelado por Regina Casé, e após seu adiamento (devido à pandemia de Covid-19), o longa-metragem “Três Verões” estreia em sessões de Drive-Ins com uma história real: a corrupção no Brasil.

O projeto foi roteirizado com base nas investigações da Operação Lava-Jato, que envolve grandes empresários brasileiros, o que levou a autora e diretora Sandra Kogut a produzir uma história cheia de drama, comédia e com pontos impressionantes de realidade.

Madalena (Regina Casé) é empregada na casa de Edgar (Otávio Muller) e sua esposa Marta (Gisele Fróes), um casal aparentemente feliz, mas que traz em si um ar de mistério, algo que parece estar por um fio.

Edgar é um milionário, dono de uma personalidade um tanto quanto suspeita e um semblante meio preocupado, o que parece incomodar a todos em sua volta, principalmente Marta, que a todo instante mostra-se resignada com algo que talvez nem ela saiba de que se trata.

O enredo da trama é surpreendente, a começar pela forma como o longa se desenvolve, com a protagonista uma empregada doméstica que conta a história dos patrões, sendo esse um diferencial em meio a tantas outras produções clichês que infelizmente ignoram as classes menos favorecidas, dando apenas pequenos espaços em núcleos de humor ou periferias.

A ousadia de Sandra Kogut em dar voz ao povo, tendo como ponto central do filme os empregados de uma mansão, remete a uma nova era cinematográfica no Brasil. Um ciclo de novos personagens, enredos e histórias.

A produção apresenta um país rico por sua população, mostrando que nem só de humor vive o Brasil, mas sim de pessoas batalhadoras e cheias de personalidade.

O que também chama a atenção no longa é seu elenco, que conta com atores consagrados como Regina Casé, Otávio Muller, Rogério Fróes e Gisele Fróes. Atores veteranos dando um show de atuação e simplicidade nas cenas que parecem ter sido cuidadosamente alinhadas para não fugir do objetivo principal: mostrar um cenário real, sem filtros ou interpretações engessadas.

O texto de Sandra é cativante, é possível sentir as emoções de cada personagem durante as cenas, principalmente nas mais dramáticas, as quais, diga-se de passagem, a atriz Regina Casé tirou de letra. O modo como ela representa o trabalhador brasileiro é emocionante e emana esperança para quem assiste e acredita em novas possibilidades em meio às dificuldades da vida.

“Três Verões” chega em um momento de grande importância para o Brasil, trazendo para os espectadores do cinema nacional uma nova perspectiva para futuras produções brasileiras e um olhar mais crítico diante a corrupção vivida em nosso país.

Vale a pena conferir essa história.

por Pompeu Filho – especial para A Toupeira

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela Vitrine Filmes.

Filed in: Cinema

You might like:

Mulher-Maravilha é destaque em teaser e pôster de “Zack Snyder’s Justice League” Mulher-Maravilha é destaque em teaser e pôster de “Zack Snyder’s Justice League”
Orquestra Sinfônica Petrobrás terá concerto virtual com trilhas de cinema exibido no YouTube Orquestra Sinfônica Petrobrás terá concerto virtual com trilhas de cinema exibido no YouTube
The Flash é o personagem do dia em pôster individual e teaser temático de “Zack Snyder’s Justice League” The Flash é o personagem do dia em pôster individual e teaser temático de “Zack Snyder’s Justice League”
Escape 60 oferece o jogo on line “Bob Esponja e o Amuleto Perdido de Atlântida” gratuitamente Escape 60 oferece o jogo on line “Bob Esponja e o Amuleto Perdido de Atlântida” gratuitamente
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.