Crítica: “Tsé”

O extermínio dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial é assunto de centenas de produções mundo afora.  A humanidade ainda se choca com o massacre promovido pelos alemães antissemitas, mas nem todas as histórias precisam terminar em morte e destruição. O documentário “Tsé” retrata a história de uma sobrevivente e sua vontade de viver.

O filme produzido, narrado e dirigido por Fábio Kow – neto de Tsecha Szpigel, protagonista que dá nome à obra – é divido em momentos que vão da infância comum na Polônia antes da guerra, a luta quase solitária pela existência até a vinda para o Brasil com seu companheiro e a consolidação da família.

O mais interessante é que cada fato narrado é titulado com um nome ou apelido diferente que Tsecha teve ao longo da vida. Foram colhidos depoimentos de amigos próximos e de familiares – filhos, netos, bisnetos – cada um recontando parte da história de Tsé, mas o ponto alto são os testemunhos dados por ela.

A produção conta com imagens da guerra, vídeos caseiros gravados por Fábio ainda criança, imagens mais recentes de Tsecha, fotografias de família e belas ilustrações de Leandro Spett.

O longa não deixa dúvidas do amor que envolveu a vida de Tsé e sua família, contudo em alguns instantes é pessoal demais, como se estivéssemos assistindo a um filme caseiro na sala de estar de alguém – isso não chega a ser um defeito ou desabona a obra, mas deixa certo receio sobre o quão profissional é.

É compreensível e divertido o uso de imagens amadoras, no entanto, a partir do momento que surge a ideia de um filme, espera-se que haja mais cuidado com a captura das imagens – principalmente as de Tsé.  Apesar de Fábio deixar claro que os locais das gravações eram escolhidos pela avó, onde ela se sentisse mais confortável, há trechos em que a câmera balança tanto que tira o foco do que está sendo dito por ela.

Ainda assim, o documentário é uma criação encantadora. A cada fala de Tsé fica nítido o porquê do diretor ansiar por homenageá-la. É apaixonante a forma com que ela lutou pela vida e aproveitou cada oportunidade depois de conquistar o direito de continuar vivendo.

Algumas histórias precisam ser eternizadas e compartilhadas e a de Tsecha Szpigel é uma dessas.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Direto da Toca: Conversamos com Fefê Torquato e Sidney Gusman sobre “Tina – Respeito” Direto da Toca: Conversamos com Fefê Torquato e Sidney Gusman sobre “Tina – Respeito”
Diamond Films divulga pôster e trailer de “A Hora da sua Morte” Diamond Films divulga pôster e trailer de “A Hora da sua Morte”
Novo vídeo de “Malévola: Dona do Mal” conta com depoimentos do elenco Novo vídeo de “Malévola: Dona do Mal” conta com depoimentos do elenco
“Midway – Batalha em Alto Mar” ganha novo trailer “Midway – Batalha em Alto Mar” ganha novo trailer
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.