Crítica: “Um Dia para Viver”

“Um Dia para Viver” (24 Hours to Live) é o novo thriller de ação de Brian Smrz, mais conhecido por seu trabalho como dublê e coordenador de dublês. Estrelado por Ethan Hawke, o filme conta a trajetória do mercenário Travis Conrad, que, aposentado após o assassinato da mulher e do filho, volta ao campo para um último trabalho, onde falha e acaba morto.

Normalmente este seria o meio da produção, ou o começo com outro protagonista, porém Travis é ressuscitado de maneira provisória por uma nova técnica médica desenvolvida por seus empregadores, para obter as informações que conseguiu.

Descartado, com até sua morte tolhida de si, decide se redimir, e passa a proteger quem tentou matar, e agora tem 24 horas para evitar que assassinem seu antigo alvo, que deporá perante a ONU, contra seus empregadores.

O suspense com doses de ação é atraente. A trama, à parte do absurdo da ressurreição temporária, é o clássico conto de vingança e redenção, comum ao gênero de ação, com seu herói sisudo e hiper-adaptável, à moda Liam Neeson, bem representado por Ethan Hawke. Porém com personagens um tanto mais interessantes que o padrão, como a co-protagonista , agente Lin Bisset (Xu Qing) e particularmente o antagonista Jim Morrow (Paul Anderson).

Como filme de ação, é esperado que a parte das coreografias dos tiroteios e brigas sejam bem feitas, e por serem dirigidas por um coordenador de dublês têm uma condução bem envolvente, e com certeza são um atrativo da narrativa. A fotografia, também é bem executada, o que em longas do gênero nem sempre é algo a se notar. Infelizmente a trilha sonora, do compositor Tyler Bates, ficou bem aquém de outras compostas pelo próprio, que compôs dentre elas a do filme “300”.

“Um Dia para Viver” é um bem conduzido, que deve agradar particularmente aos fãs do gênero, com suas coreografias, explosões e tiroteios. Para quem não curte muito, talvez não seja o filme mais indicado, mas ainda é possível tirar coisas boas deste, caso opte por conferir no cinema.

por Ícaro Marques – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal Culturama lança “O Essencial do Zé Carioca: Celebrando os 80 Anos da sua Estreia” na Bienal
“Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos “Minions 2: A Origem de Gru” é a maior abertura de animação dos últimos dois anos
“Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro “Origami”, livro de Maíra Carvalho, ganha sessão de autógrafos na Bienal do Livro
Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista” Grace Gianoukas comemora 40 anos de carreira com o Espetáculo “Grace Em Revista”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.