Crítica: “Um Lugar Silencioso”

Num equilíbrio poucas vezes encontrado, mas muito celebrado nesse tipo de produção, “Um Lugar Silencioso” (A Quiet Place) consegue transitar com a mesma desenvoltura entre o suspense clássico e o terror psicológico, combinação que parece ter voltado com força ao cinema.

Dirigido e protagonizado por John Krasinski, o longa começa mostrando a Terra 89 dias pós-eventos que colocaram toda a humanidade em risco. Desde cedo fica claro que os culpados pelo caos silencioso que se abateu sobre o planeta são estranhas / horrendas / convincentes criaturas que atacam indiscriminadamente, tendo como única referência o som (são cegas e pelo jeito não devem ter um bom olfato também).

A sequência inicial – uma das melhores – já é um forte indício de que o filme não poupará a família que o protagoniza, tampouco o espectador. E, graças a ela, me peguei várias vezes durante a exibição tapando a própria boca – poderia ser apenas empatia pelos personagens, mas acho que está mais para o bom, velho e egoísta instinto de sobrevivência.

A trama nos apresenta o casal Evelyn (Emily Blunt) e Lee Abott (John Krasinski), que ao lado de seus filhos Regan (Millicent Simmonds) e Marcus (Noah Jupe), serão as únicas pessoas a aparecer na quase totalidade da produção, o que por si só já causa uma sensação de desconforto e abandono. Com uma das crianças sendo deficiente auditiva (a jovem Millicent, que também o é na vida real), a família já tem a linguagem de sinais como elemento trivial em suas vidas, o que facilita muito quando precisam usá-la como única fonte de comunicação.

Sem ter para onde fugir – uma vez que a ameaça é global – eles permanecem na mesma região em que viviam antes das criaturas chegarem e adaptam sua rotina à nova realidade de ter que se manter em silêncio quase absoluto. Soluções simples, porém inteligentes, são tomadas para aumentar a possibilidade de não fazer ruídos: só andam descalços, caminhos de areia são feitos em cima das folhas secas da floresta, não há uso de talheres metálicos. Pequenos detalhes que fazem toda a diferença no conjunto final.

Acompanhar o dia a dia da família e sua clara tentativa de sobreviver é basicamente o que move a produção. Não há elementos mirabolantes que compliquem o desenvolvimento da ação, mas, como é certo em títulos do gênero, o recurso dos sustos “padrão” está lá – bem desenvolvido, é verdade.

Talvez, a única coisa que incomode (mas só se a plateia pensar na história como sendo viável na vida real), seja uma decisão totalmente equivocada: se você vive em um cenário no qual até mesmo um simples diálogo pode ser fonte de atração para criaturas famintas e impiedosas, qual a lógica em gerar mais uma criança? Pois é. No meio dessa “guerra” instaurada, a personagem de Emily Blunt aparece grávida – com direito a trabalho de parto simultâneo a complicações externas. E, antes que haja dúvida: ela realmente engravida quando já há esse transtorno mundial.

Por outro lado, são inúmeros pontos positivos a se evidenciar durante os 90 minutos de duração do longa. Preste atenção em uma sequência, em particular, envolvendo um fone de ouvido – uma das mais significativas e emocionantes. Assim como merece destaque a interpretação de todo elenco, bastante entrosado e competente, o que é fundamental para o êxito da história proposta.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Direto da Toca: Fomos à Coletiva de Imprensa de “Turma da Mônica – Laços” Direto da Toca: Fomos à Coletiva de Imprensa de “Turma da Mônica – Laços”
Havaianas mergulha no universo secreto dos brinquedos com “Toy Story 4” Havaianas mergulha no universo secreto dos brinquedos com “Toy Story 4”
Assista ao trailer oficial de “Aprendiz de Espiã” Assista ao trailer oficial de “Aprendiz de Espiã”
Lilia Cabral é solteirona que quer desencalhar no trailer de “Maria do Caritó” Lilia Cabral é solteirona que quer desencalhar no trailer de “Maria do Caritó”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.