Crítica: “Vice”

Contradizendo a famosa frase que afirma que política é (ou pelo menos deveria ser) um assunto não se discute, parece que Hollywood descobriu um filão rentável e cujas obras tornam-se ainda mais visíveis com o ganho dos mais variados prêmios da indústria cinematográfica.

A mais nova produção a ter o viés político como tema central é “Vice”, que, como o próprio título indica, transforma uma figura normalmente relegada a segundo plano em um interessante e complexo protagonista.

A história gira em torno da ascensão da carreira de Dick Cheney (Christian Bale em mais uma transformação física memorável para o papel, contando também com um trabalho primoroso de maquiagem e criação de próteses), que passa de jovem inconsequente e beberrão a braço direito do presidente de uma das maiores potências mundiais. Tudo capiteneado por sua fiel esposa Lynne (Amy Adams), que com pulso forte e resistência, conseguiu traçar ao lado do marido uma vitoriosa trajetória familiar e profissional.

Todas as principais passagens que antecederam a vice-presidência durante os dois mandatos de George W. Bush (Sam Rockell) são mostradas, inclusive o período em que o protagonista trabalhou como assistente de Donald Rumsfeld (Steve Carell) e que serviu como um grande passo em direção a suas ambiciosas intenções.

A figura de Cheney à espreita, com uma expressão de quem parece estar sempre um passo à frente, é exibida de maneira a torná-lo quase uma sombra com vida própria. E em certos momentos, o ângulo da câmera faz com que ele pareça muito maior / superior, em clara alusão a como o poder alçar seus portadores a um patamar diferenciado.

O longa que tem 132 minutos de duração conta com um recurso que, particularmente, eu gosto muito: um narrador. Ainda que ele se faça visível em várias cenas durante a narrativa, sua real identidade só é confirmada nos momentos finais e, acredito que assim como eu, boa parte da plateia vá se surpreender com tal revelação, que consegue acrescentar ainda mais importância a todo relato.

Entre as sequências que merecem destaque, a que se passa durante os ataques de 11 de Setembro de 2001 é assustadora, não só pelos fatos terríveis que marcaram para sempre a data, mas pela postura assumida por aqueles que detinham o poder em mãos e pareceram pouco empenhados em buscar soluções que causassem o mínimo de danos possíveis a tantos que se viram envolvidos nessa intrincada rede de controle e manipulação.

Dirigido e roteirizado por Adam McKay, “Vice” chega à corrida pelo Oscar com oito indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original, Melhor Ator (Christian Bale), Melhor Ator Coadjuvante (Sam Rockwell), Melhor Atriz Coadjuvante (Amy Adams), Melhor Edição e Melhor Cabelo e Maquiagem.

Vale conferir.

por Angela Debellis

 

Filed in: Cinema

You might like:

Direto da Toca: Fomos à Coletiva de Imprensa de “Turma da Mônica – Laços” Direto da Toca: Fomos à Coletiva de Imprensa de “Turma da Mônica – Laços”
Havaianas mergulha no universo secreto dos brinquedos com “Toy Story 4” Havaianas mergulha no universo secreto dos brinquedos com “Toy Story 4”
Assista ao trailer oficial de “Aprendiz de Espiã” Assista ao trailer oficial de “Aprendiz de Espiã”
Lilia Cabral é solteirona que quer desencalhar no trailer de “Maria do Caritó” Lilia Cabral é solteirona que quer desencalhar no trailer de “Maria do Caritó”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.