Crítica: “A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell”

Como você imagina o mundo, a tecnologia e a sociedade daqui a 12 anos? A trama de “A Vigilante do Amanhã – Ghost in the Shell” (Ghost in the Shell) carrega uma visão no mínimo, impressionante, de como as coisas estarão em 2029, ano em que se passa a ação do filme.

Baseado no clássico anime homônimo de 1995 – criado a partir do mangá de Masamune Shirow, o longa que tem Rupert Sanders à frente da direção, procura manter-se fiel à boa parte do que é retratado na obra original. Basicamente, acompanhamos a história da Major Mira Killian (Scarlett Johansson), personagem que carrega a peculiaridade de ter um cérebro humano em um corpo cibernético.

A protagonista é resultado de pesquisas experimentais feitas pela Hanka, conhecida por suas melhorias robóticas em humanos – algo como uma “evolução” em tempos modernos. O que ela sabe é que foi resgatada de um acidente que vitimou seus pais e após o qual só pôde manter-se viva através da, até então inédita, empreitada de transferir seu cérebro para um corpo de ciborgue.

Através das mãos da Doutora Oulet (Juliette Binocche), o novo corpo de Mira tem inúmeras vantagens, como a possibilidade de ter partes reconstituídas em caso de dano. Além de contar com um traje especial que a torna invisível (coisa que destaquei como sendo uma das mais legais do anime e que, felizmente, é mantida nesta versão).

Com um salto de um ano no tempo, a trama nos mostra a Major já em pleno exercício da função, como parte do grupo de segurança do violento Setor 9, área bastante problemática, onde se passa a maior parte da ação. A representação da cidade em toda sua grandiosidade tecnológica chega a assustar em determinados momentos – o excesso de informações por todos os lados e sua contínua e extenuante atualização faz com que passemos a questionar se estamos de fato tão distantes assim dessa realidade.

Quando o trabalho da Hanka é posto em xeque com o assassinato de parte de seu grupo de cientistas, caberá à protagonista capturar o responsável pelas execuções, Kuze (Michael Pitt), o que a levará a um caminho nunca antes percorrido: o das dúvidas em relação à verdade sobre seu passado como humana comum.

Outros personagens merecem citação, como Batou (Pilou Asbaek) – colega de trabalho e uma das poucas pessoas em que Major confia, e Daisuke Aramaki (Takeshi Kitano), um dos nomes mais poderosos dentro da empresa.

Logo após o anúncio da adaptação, o maior (entenda-se negativo) destaque foi para o fato de terem escalado Scarlett Johansson para o papel principal, uma vez que a Major “original” é asiática. A boa notícia é que o longa consegue surpreender pela qualidade e perspicácia com que explica tal fato.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

HBO Max lançará documentário da Lizzo no segundo semestre do ano HBO Max lançará documentário da Lizzo no segundo semestre do ano
Concurso de Cosplay acontece no Shopping Santa Cruz Concurso de Cosplay acontece no Shopping Santa Cruz
Universal Pictures divulga trailer da comédia “Mais que Amigos, Friends” Universal Pictures divulga trailer da comédia “Mais que Amigos, Friends”
Cine Gazin volta a percorrer cidades brasileiras  com sessões gratuitas Cine Gazin volta a percorrer cidades brasileiras com sessões gratuitas
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.