Crítica: “Visões do Passado”

Visões do Passado pôster críticaEstamos cansados do óbvio, de perguntar aos fantasmas se eles estão lá. Estamos cansados da cena escura, longa e silenciosa, que faz com que consigamos prever o susto e que nos tira a sensação da adrenalina percorrendo pelo cérebro. Cansamos disso. Nós queremos inovação.

Como já é evidente, neste ano a onda de filmes de terror que vem por aí está prometendo muitos sustos e histórias horripilantes. Mas, o que tem o poder de impressionar mais? A ficção ou a realidade?

Em “Visões do Passado(Backtrack), produção da Saban Films e direção de Michael Petroni, não havia melhor forma do diretor utilizar psicologia, espíritos, traumas e uma cidade isolada a favor de sua produção para, a partir daí, criar uma fabulosa e intrigante história que, ao decorrer dos fatos, vai se mostrando cada vez mais clara e surpreendente ao expectador pela relação que se estabelecem entre si e que ganham mais sentido durante o seu desenrolar.

Adrien Brody, vencedor do Oscar pela sua atuação em O Pianista (2002) interpreta, neste longa, o psicólogo Peter Bower, que decide voltar com sua esposa Carol (Jenni Baird) para Melbourne, cidade em que se conheceram, a fim de esquecer o triste passado que ainda os assombra: a morte de sua filha Evie (Emma O’Farrell), de 12 anos, em um trágico acidente.

Para retomar sua rotina de trabalho, Bower recebe ajuda do Dr. Duncan (Sam Neill), que encaminha a ele pacientes de uma clínica psquiátrica. Dentre os quais estão um homem diagnosticado com amnésia, uma mulher que diz ser ignorada por todos, e uma menina que não fala absolutamente nada.

A partir daí, a situação começa a ficar tensa. O equilibrio perfeito entre terror psicológico e o sobrenatural transformam o longa em uma produção dinâmica, sem monotonia, que prende do início ao fim e ainda rende cenas assustadoras que dão aquela “acordada” no espectador.

Inicialmente, o filme fornece muitas informações que devem ser bem absorvidas para que o entendimento dos acontecimentos futuros seja mais tranquilo. Para os mais apressados, essa dose de informação pode ser exaustiva, mas no decorrer da trama os fatos conectam-se automaticamente e geram uma leve satisfação, afinal, o que ocorreu por trás da morte de Evie? Quem são os pacientes misteriosos? Por que Bower nunca aceitou a perda de sua filha?

Um enredo magnífico que envolve crenças, mistérios, paranoias e traumas. Michael Petroni consegue reunir, em 130 minutos, uma boa parte do lado desconhecido pelo senso comum transformando-o em uma história intensa e reflexiva, até para os que não acreditam no sobrenatural. A premissa espírita é o que prevalece, pois nos mostra que absolutamente nada acontece por acaso.

Imperdível!

por Ary Cruz – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema Tags: , , , ,

You might like:

Confira as primeiras artes com personagens de “Animais Noturnos” Confira as primeiras artes com personagens de “Animais Noturnos”
Suspense “Animais Noturnos” ganha primeiro trailer oficial Suspense “Animais Noturnos” ganha primeiro trailer oficial
PlayArte realiza festival com filmes nacionais a preço único PlayArte realiza festival com filmes nacionais a preço único
PlayArte vai levar seu pai ao cinema de graça no Dia dos Pais PlayArte vai levar seu pai ao cinema de graça no Dia dos Pais
© 9031 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.