Crítica: “Voando Alto”

Conviver em sociedade não é fácil. Encontrar o equilíbrio entre o relacionamento que temos com nossa família desde o nascimento é uma tarefa que passa longe de ser simples. Isso porque somos humanos. Mas e quando vemos essas obrigações sob os olhos de pássaros?

“Voando Alto” (Manou the Swift) tem como protagonista o pequenino Manou (voz de Josh Keaton na versão original), um filhote órfão de andorinha que é criado por Blanche (voz de Kate Winslet) e Yves (voz de Willem Dafoe), casal de gaivotas que luta para ter um filho. A estranheza inicial por parte do pai adotivo logo é compensada com um relacionamento que não faz distinção entre Manou e os outros filhotes que ali vivem e é justamente aí que surge o problema.

Por mais que haja boa vontade de Yves em ser um bom exemplo a seguir – uma vez que é o chefe do bando – tratar a andorinha como se fosse uma gaivota é deixar por completo suas raízes (não só emocionais, mas físicas) para trás e esperar que ela tenha um comportamento que foge de suas capacidades.

Quando Manou é posto à prova e falha perante as demais aves, é hora de partir para buscar respostas e novas possibilidades – ainda que isso signifique se distanciar de sua mãe e irmão adotivos (aliás, a jovem gaivota Luc – voz de Mike Kelly – é um dos personagens mais adoráveis da animação).

Ao fazer a volta na pedra em que vivia com sua família, Manou encontra um bando completamente diferente daquele em que cresceu, mas com o qual se assemelha e identifica de primeira. As andorinhas o recebem como igual, porém com o tempo, é perceptível que o discurso é basicamente o mesmo das gaivotas que só enxergam a si próprias como seres de valor.

Entre resgates de ovos, lutas com ratos e descobertas de sentimentos, caberá ao pequeno protagonista encontrar o ponto em que o respeito e a confiança se farão os alicerces para a continuidade da jornada.

A animação alemã dirigida por Andrea Block e Christian Haas é simples e direta. A intenção do roteiro fica clara desde o princípio e há uma eficiente condução da história que deve entreter principalmente as crianças menores (mas o conteúdo narrativo e sua importância, inclusive na sociedade atual, é válido para todas as idades).

Entre os personagens, cabe destacar o divertido Parzival (voz de David Shaughnessy) um pássaro exótico que consegue fugir de um destino cruel no qual acabaria servido em um restaurante qualquer para encarar o desafio de estar, pela primeira vez, livre na natureza.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Editora Skull lança “Até que a Morte nos ampare” Editora Skull lança “Até que a Morte nos ampare”
Museu da Imagem e do Som promove maratona de filmes de terror Museu da Imagem e do Som promove maratona de filmes de terror
Robert Downey Jr. é destaque em vídeo de teste de elenco de “Dolittle” Robert Downey Jr. é destaque em vídeo de teste de elenco de “Dolittle”
Elton John está em êxtase com ‘Rocketman’ no Globo de Ouro Elton John está em êxtase com ‘Rocketman’ no Globo de Ouro
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.