Crítica: “Vox Lux – O Preço da Fama”

A narrativa de “Vox Lux – O Preço da Fama” (Vox Lux) mostra como ações de terceiros podem modificar a vida de alguém de um minuto para o outro e acarretar consequências que perduram por vários anos.

O drama musical é divido em atos – como uma peça teatral – e conta com a excelente narração do ator Willem Dafoe, que além de dar um ar sofisticado ao filme, também ajuda a pontuar muitas passagens importantes da história com mais excelência do que as imagens em si.

No final da década de 1990, Celeste (Raffey Cassidy) é uma jovem de 14 anos que sobrevive a um massacre cometido em seu colégio no primeiro dia de aula pós virada do ano. Mas, embora tenha resistido, ela carrega a sequela por ter sido baleada e atingida em uma de suas vértebras.

Se por um lado parece “simples” esconder a cicatriz em seu pescoço com adereços em forma de gargantilhas justas ou blusas de gola alta, por outro é notória a dificuldade em superar – de verdade – os acontecimentos posteriores que ajudaram a moldar seu destino.

A guinada em sua história começa ao comparecer a uma missa em homenagem às vítimas do atentado, durante a qual ao invés de fazer um discurso simples, a protagonista canta uma canção que compôs em parceria com sua irmã mais velha, Eleanor (Stacy Martin), e que viria a se tornar um inesperado sucesso. Era o primeiro passo para uma promissora carreira como cantora.

Natalie Portman dá vida à personagem a partir da metade do longa, quando a ação se passa em dias atuais. Bem sucedida, com uma legião crescente de fãs e ainda emplacando sucessos no mercado, Celeste parece ter a vida perfeita diante dos olhos de quem acompanha suas atividades, mas os bastidores da fama se revelam bem menos acolhedores e mostram que muitas vezes há um preço alto a se pagar para manter-se no topo.

A maternidade precoce (Raffey Cassidy agora interpreta Albertine, filha de Celeste), a imersão no mundo das drogas, o afastamento da família e as dificuldades em manter-se íntegra por conta própria, transformam a cantora em uma pessoa com graves problemas de aceitação (embora isso não seja assumido por ela), alguém que coloca em jogo a qualidade de seu trabalho para adequar-se a um mercado que parece pouco interessado neste atributo.

A grande sacada da obra dirigida e roteirizada por Brady Corbet está nos detalhes: na maquiagem que dá à protagonista diferentes personas, no uso de máscaras que encobrem a real identidade sob o brilho ofuscante dos paetês, no relacionamento de dependência emocional desenvolvido com o passar dos anos com seu empresário interpretado por Jude Law – que nunca deixa claro com o que realmente se importa.

O destaque, como já era previsível, fica para a interpretação de Natalie Portman. É provável que parte dos espectadores a considere beirando o limite do exagero e caricato, mas ao pensarmos na evolução de Celeste durante a jornada de 16 anos que o filme abrange, veremos que isso se deve justamente à personalidade da personagem, que não parece ter se modificado tanto, ainda que agora não seja mais uma simples adolescente.

O ato final da produção se foca em apresentar o que seria parte do show da cantora. Como musical, a execução é bem conduzida e a sensação é de que estamos assistindo a um espetáculo real. Mas, como parte necessária à trama, e embora o trabalho de Natalie seja louvável, talvez a sequência não precisasse ser tão extensa.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind Jogue 5 Eras da história humana no Closed Beta de Humankind
Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer Ubisoft anuncia Avatar: Frontiers of Pandora com primeiro trailer
Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica Mario + Rabbids Sparks of Hope apresenta uma aventura em escala cósmica
Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro Tom Clancy’s Rainbow Six Extraction ganha anúncio de lançamento para setembro
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.