Crítica: “X-Men Origens: Wolverine”

X Men Origens Wolverine pôster críticaHá personagens feitos para o sucesso. E atores que nascem para interpretá-los.

Por isso Hugh Jackman dá vida pela quarta vez a um dos ícones das HQs, em “X-Men Origens: Wolverine” (X-Men Origins: Wolverine), que estreia hoje, 30 de abril, em circuito nacional.

A trama, como o título indica, é focada na origem do mutante. Para quem leu a aclamada minissérie “Origem”, será fácil identificar o quão fiel é a sequência em que o jovem Logan (ainda chamado de James) desenvolve sua mutação com força máxima.

É nesse momento que ativa o sempre útil fator de cura e apresenta pela primeira vez, as famosas garras – que nesse ponto são extensões ósseas, sem a cobertura de Adamantium, acrescentada anos mais tarde pelo Projeto Arma X – numa das melhores cenas do longa.

Se nos quadrinhos o parentesco entre Wolverine e Dentes de Sabre era velado, aqui é nítido – os dois são irmãos por parte de pai. Suas participações em diversos momentos históricos de guerra e como a fúria de cada um acabou direcionada para lados opostos também são retratadas.

Conforme visto em outras produções, alguns fatos foram modificados – como a causa e o momento em que Logan perde e memória – mas nada que chegue a causar danos absolutamente irreparáveis à história.

Mesmo quando alguma coisa parece exagerada, como a aparição de diversos outros “mutantes coadjuvantes” (destaque para Gambit, esperado desde o início da franquia X-Men), tudo se justifica de alguma forma, ao pensarmos no tamanho do universo Marvel do qual o invocado mutante faz parte.

Wolverine é cheio de contradições: é a peça chave de um experimento de 500 milhões de dólares, mas declara em uma cena ter apenas 17 no bolso; Não tem lembranças do passado, mas é sempre um dos mais lembrados em pesquisas feitas com fãs.

Não espere beleza, armaduras douradas, equipamentos de última geração ou Lamborghinis prateados. Em 107 minutos, o filme é curto e grosso. Exatamente como a representação do melhor personagem dos quadrinhos (na minha opinião) deve ser.

Importante: Há duas cenas adicionais… Espere até o fim dos créditos. Vale a pena!

por Angela Debellis

Filed in: Cinema Tags: , , , ,

You might like:

Especial X-Men já está disponível no NOW Especial X-Men já está disponível no NOW
Noitão Belas Artes: Especial “X-Men”acontece em São Paulo Noitão Belas Artes: Especial “X-Men”acontece em São Paulo
UCI Cinemas abre pré-venda para “X-Men: Apocalipse” UCI Cinemas abre pré-venda para “X-Men: Apocalipse”
Museu da Imagem e do Som recebe exposição sobre “X-Men” Museu da Imagem e do Som recebe exposição sobre “X-Men”
© 3882 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.