Direto da Toca: Estivemos na Coletiva de “10 segundos para vencer”

Aconteceu na tarde de ontem a Coletiva de Imprensa de “10 segundos para vencer”, após a exibição em primeira mão do longa, que chega dia 13 aos cinemas, com distribuição da Imagem Filmes.

A coletiva contou com os atores Daniel de Oliveira, Osmar Prado, e Ricardo Gelli. Além disso também estavam o diretor José Alvarenga Jr., o roteirista Thomas Stavros e o produtor Flávio Ramos Tambellini. E através desta os jornalistas puderam saber mais sobre a produção e preparo do e para o filme.

Daniel de Oliveira contou que teve um preparo intenso para o longa, e pelos anos de produção, treinou quase todo dia boxe, até mesmo chegando a lutar de fato. Também assistiu a muitas lutas de Éder Jofre, para assimilar seu estilo particular.

Osmar Prado, por sua vez, falou mais sobre a questão de criar um personagem pouco documentado, particularmente a esfera pessoal deste, ao representar Kid Jofre, pai e treinador de Éder Jofre, para o qual usou como reflexo sua relação com seu pai, e seus embates, seu amor, e os momentos de raiva.

Ele apontou que o filme se encontra em um momento de amadurecimento de sua carreira, reunindo tudo que aprendendo ao longo dos anos, e isso o ajudou a arquitetar o personagem, além do fato de ter vivido o período das vitórias de Éder Jofre no filme.

Ricardo Gelli, também falou sobre a questão de aproximar o personagem com suas vivências, no caso Zumbanão, que segundo sua leitura, tinha certa malandragem e jeito, algo que ele diz se equiparar à sua vida no Rio de Janeiro. Segundo Ricardo, ter crescido no mesmo bairro que a família Jofre-Zumbano, também ajudou no desenvolvimento.

Quando questionado sobre a relação entre o longa e a tradição dos filmes sobre boxeadores, como os títulos de Martin Scorsese  e Clint Eastwood, o diretor José Alvarenga Jr. falou sobre como a questão de Éder Jofre ser da categoria peso galo ajudou, pois as demais produções se focavam com frequência em pesos-médios e pesos-pesados. Acrescentou que a questão da construção das lutas, como a velocidade em que se deram, era uma forma do filme encontrar a própria voz.

Sobre alguns detalhes técnicos e da produção, o diretor também contou como foi difícil para o ator Daniel Oliveira, afinal nenhum dos lutadores, com exceção de Daniel e Ricardo Gelli, eram atores, mas sim boxeadores contratados para dar maior verossimilhança ao filme, e como a equipe de maquiagem viria a ter que disfarçar olhos roxos, ao invés de pintar, pois alguns acidentes ocorreram ao longo da filmagem.

Ainda explicou sobre a reconstrução digital de estádios de boxe das décadas de 1960 e 1970, muitos dos quais não existem mais, e como os processos de efeitos especiais usados na película ainda são inovadores se tratando de Brasil.

Segundo o produtor Flávio Ramos Tambellini, o filme transcende e é bem-sucedido pela capacidade de fazer as pessoas vibrarem, seja por sua história, com as lutas, ou pelos personagens, e ainda por não querer ser didático em representar a realidade da época, mas que ainda assim ela se faz presente na narrativa inteira.

Por fim, os atores Osmar Prado e Ricardo Gelli comentaram sobre ganharem os prêmios de melhor ator e melhor ator coadjuvante, respectivamente, no Festival de Cinema de Gramado. Osmar comentou que em ambas as vezes não esperava ganhar um prêmio, e se emocionou ao contar sobre o impacto que é ser chamado ao palco para recebê-los.

Por sua vez Gelli não pôde estar presente no Festival, pois não fora avisado que era um dos indicados, e estava trabalhando em uma peça, mas também falou da importância e de como é simbólico para ele, um ator mais conhecido no meio teatral, a vitória de um prêmio referencial no Brasil.

Confira nossa Crítica Completa de “10 segundos para vencer” na data de estreia.

Crédito das fotos: Ícaro Marques.

por Ícaro Marques – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema, Direto da Toca

You might like:

Elenco de “Stranger Things” visita labirinto temático no “Halloween Horror Nights” Elenco de “Stranger Things” visita labirinto temático no “Halloween Horror Nights”
“Guardado em Silêncio” cumpre curta temporada em São Paulo “Guardado em Silêncio” cumpre curta temporada em São Paulo
“A Freira” se torna a maior bilheteria de terror da história no Brasil “A Freira” se torna a maior bilheteria de terror da história no Brasil
Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald ganha trailer final e novas artes de personagens Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald ganha trailer final e novas artes de personagens
© 2018 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.