Direto da Toca: Fomos à Coletiva de Imprensa de “Maria do Caritó”

Crédito: Victória Profirio

Na tarde de hoje, 21 de outubro, comparecemos à Coletiva de Imprensa do filme “Maria do Caritó”. O evento ocorreu logo após a exibição do longa para jornalistas e contou com a presença do diretor João Paulo Jabur, os roteiristas Newton Moreno e José Carvalho, os produtores Elisa Tolomelli e José Alvarenga Jr., os atores Leopoldo Pacheco, Gustavo Vaz, Fernando Sampaio, além das atrizes Kelzy Ecard e Lilia Cabral, que também atuou como coprodutora.

“Maria do Caritó” conta a história de uma mulher, cujo sonho é encontrar seu verdadeiro amor, porém, ela foi prometida a um Santo logo após seu nascimento, devido a complicações no parto. Com a chegada de um circo na cidade, Maria (Lilia Cabral) acredita ter encontrado seu noivo e a inspiração para tentar algo fora de sua realidade.

Ao ser questionado sobre a influência da Literatura de Cordel no roteiro, Newton Moreno relembrou que o longa é baseado em sua peça teatral, e que na verdade, a inspiração foi a sua primeira experiência estética em relação ao circo, como se o picadeiro fosse um convite para ser artista, e que isso reascendia suas lembranças em sua cidade natal, no interior de Pernambuco.

José Carvalho complementou a fala de Newton, explicando que tanto o circo, quanto o melodrama são derivados da ópera, e embora poucos saibam, esta tem origem popular. Contou que a ideia de acrescentar um diálogo cantado ao longa é para que as pessoas iletradas também possam compreender, e a junção da obra circense com o drama é exatamente o que define o filme.

Lilia Cabral relatou um pouco sobre como foi o processo de decidir protagonizar Maria nos cinemas, anos após a homônima peça de teatro. Sempre questionada sobre a adaptação da obra para as telonas, desde o início foi muito reticente.

Ela explicou que quando viveu a personagem estava no auge de seus 50 anos, e por isso acreditava que deveria realizar um trabalho clássico. Um dos motivos pelo qual Lilia aceitou reproduzir a protagonista foi pelo desafio pessoal de romper barreiras e de fazer com que o público sentisse uma proximidade com o que ela estava representando.

A história é contada em um sertão imaginário, porém, existem algumas críticas políticas retratadas também de forma implícita em algumas cenas. Questionados se isso era algo intencional, Lilia Cabral e Leopoldo Pacheco, responderam que os problemas políticos sempre existiram e que a peça também tratava dessas opiniões.

João Paulo Jabur completou a fala dos atores explicando que apesar das críticas implícitas e explícitas, o longa é uma obra delicada, existe muita sinceridade e poesia nas questões abordadas. O elenco finalizou relembrando que a peça esteve em cartaz em 2010 e que as filmagens do longa começaram em 2017, e que isso só mostra o quanto esse ponto político tornou-se recorrente.

“Maria do Caritó” chega em 31 de outubro aos cinemas brasileiros. Confira nossa Crítica Completa na data de estreia.

por Victória Profirio – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema, Direto da Toca

You might like:

Crítica: “Dora e a Cidade Perdida” Crítica: “Dora e a Cidade Perdida”
Crítica: “Ford Vs Ferrari” Crítica: “Ford Vs Ferrari”
Segunda edição de 2019 do maior festival de Magic: The Gathering da América Latina acontece em São Paulo Segunda edição de 2019 do maior festival de Magic: The Gathering da América Latina acontece em São Paulo
Batman 80 – A Exposição: O Coringa hackeou o batcomputador e criou uma super promoção! Batman 80 – A Exposição: O Coringa hackeou o batcomputador e criou uma super promoção!
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.