Direto da Toca: Fomos à Coletiva de Imprensa de “O Farol”

Crédito: Carla Mendes

Nesta terça-feira (29), estivemos presentes na coletiva de imprensa do tão aclamado filme de suspense (ou horror) de Robert Eggers, “O Farol” (The Lighthouse) que é estrelado por Willem Dafoe e Robert Pattinson – O longa faz parte da 43º Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e foi exibido no auditório do Ibirapuera – Além do diretor, estavam presentes Dafoe e o produtor brasileiro Rodrigo Teixeira.

O clima estava muito amistoso entre os três, que não pouparam elogios uns aos outros e relataram o quão bom foi o trabalho em conjunto. Um dos primeiros questionamentos a Eggers foi referente à escolha de elenco, que de imediato disparou “Você começa escolhendo dois atores loucos”. Já Willem, disse que o mundo criado por Robert é tão preciso que ao perceber isso assistindo ao filme “A Bruxa” (The Witch) ele entrou em contato com Eggers e disse “Eu quero trabalhar com você”.

 O diretor também explicou que o roteiro era muito específico, que há detalhes como alguém coçando a orelha ou lambendo papel para fazer o cigarro, tudo é meticulosamente pensado para que quando chegar o momento todos enlouqueçam dentro de “regras bem rígidas”. Palavras do próprio Eggers, que em alguns momentos deixou claro que é bem sistemático e categórico quanto ao trabalho em seus filmes.

Sobre a escolha do longa feito em preto e branco em pleno século XXI, Rodrigo Teixeira contou que ao contatar Robert para tratarem sobre a produção do filme, o diretor foi deixou bem claro que só aceitaria se o mesmo fosse gravado em preto e branco. Para captar as imagens foram usados filmes de 35mm P&B, pois somente desta forma seria possível captar a atmosfera austera do farol; também foram usadas câmeras da década de 1930.

Eggers mencionou que não se importa com a forma com que as pessoas catalogam seus trabalhos, se são ou não terror e que em seu mundo perfeito olhariam suas produções e diriam “Esse é um filme de Robert Eggers”. Mas ele entende que há necessidade de adequar a um gênero para que possam vender e até mesmo para que possamos falar sobre a obra.

A respeito de “The Lighthouse”, o diretor e roteirista disse que não sabe como definir um gênero: “O Farol não é um filme que dá medo, não é sobre isso”. Também  ressaltou que o que mais o interessa são as sombras e a escuridão dentro dos seres humanos.

A obra de Robert Eggers é mais um acerto, e deve ser colocado em sua lista para assistir no ano que vem. A previsão de estreia é 02 de janeiro de 2020, mas você confere a crítica completa em breve aqui no site.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema, Direto da Toca

You might like:

Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão” Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão”
Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer
Crítica: “A Grande Mentira” Crítica: “A Grande Mentira”
Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos” Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.