Direto da Toca: Fomos à Coletiva de Imprensa de “O Segredo de Davi”

Aconteceu na tarde de hoje, 13 de novembro, a Entrevista Coletiva de “O Segredo de Davi” após a exibição do filme para a imprensa. A produção conta a história de Davi, um jovem com vários problemas sociais e psicológicos, e sua escalada para o mundo do assassinato em série.

Na coletiva estavam presentes os atores Giselle de Prattes, Neusa Maria Faro, André Hendges e João Côrtes – Nicolas Prattes, que faz o protagonista, não pode estar presente devido a um problema com a chegada de seu voo. Também participaram do evento o diretor Diego Freitas, e o produtor Luciano Reck.

A entrevista circulou muito sobre a questão da pesquisa e do desenvolvimento do personagem Davi, do ponto de vista do roteiro. O diretor / roteirista Diego Freitas falou que apesar da inspiração inicial, o personagem adquiriu voz própria, misturando-se à sua própria pesquisa sobre os transtornos mentais que levaram aos assassinatos praticados pelo personagem.

Outro ponto levantado foi a ambiguidade da sexualidade do protagonista. Sobre isso Diego explicou que a própria intenção era se afastar da ideia de um estereotipo de sexualidade, retratando um despertar – ainda que tardio – desta no personagem, em meio ao seu frenesi de matança. Existem outras questões relativas a esta durante o filme, como a edipiana, que causa um impacto considerável no personagem, e que o diretor comentou como fundamental.

A questão estética foi muito importante durante a conversa com os jornalistas. Diego explicou que a ideia da direção de arte não era fazer um filme 100% realista, misturando passado com presente, para ampliar a sensação do local que se acha o personagem de Davi. A paleta de cores também é uma parte importante: as cores se transformam ao longo da narrativa e ocupam um papel como um motivo de cada personagem.

Os atores comentaram também sobre a construção de seus personagens, e suas relações entre atores e o diretor. João Côrtes contou que foi um dos primeiros a serem convidados para o filme. Seu papel, Caio, foi divertido de se fazer, através dele teve oportunidade de abordar temas sinistros, de maneira cômica e clara. Para sua preparação viveu entre pessoas mais próximas da personalidade do personagem, um envolvimento com um mundo mais underground, fixados por temas sinistros como drogas e morte.

João ainda colocou que por serem locais que normalmente não acessaria em sua vida, e apenas em poucos pontos de sua carreira, pôde ampliar muito seus horizontes, e que isso seria não somente para ele, mas para os outros também.

Neusa falou da questão da construção de seu papel, e que diferente de alguns atores, prefere se manter muito próximo à ideia do diretor, particularmente no caso de Diego que também é roteirista, de maneira que não utilizou materiais externos, com a personagem funcionando em função das ideias do diretor.

Por sua vez, as mudanças radicais da personagem – de apática e catatônica, para vivaz e altiva – foram certo desafio. Quando questionada sobre o fator macabro da personalidade, creditou a ele uma forte influência tais alterações.

Já André comentou sobre as diferenças entre este trabalho e seus anteriores. Acostumado a trabalhar em publicidade e peças de teatro, a mudança foi radical, em especial ao perceber como se davam os deslocamentos do set. Além disso, elogiou muito o diretor por manter a harmonia no set, e como ele conseguia conduzir todo o processo.

Por fim, Giselle falou sobre o fato de trabalhar com o próprio filho, Nicolas Prattes, em uma produção de um longa-metragem, e particularmente neste. Já tendo trabalhado com o filho em pelo menos dois espetáculos, Giselle manifestou uma grande alegria, ainda mais em um projeto pelo qual se mostrou apaixonada.

A atriz ainda acrescentou sobre a diferença de personalidade e interesses de Nicolas em relação ao personagem Davi: um bonzinho, enquanto o outro sinistro; um que não sabe usar muito celulares e computadores, enquanto o outro é um hacker completo.

“O Segredo de Davi” estreia dia 22 de novembro, data em que você confere nossa Crítica Completa.

Crédito das fotos: Ícaro Marques.

por Ícaro Marques – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema, Direto da Toca

You might like:

Crítica: Como treinar o seu Dragão 3″ Crítica: Como treinar o seu Dragão 3″
Crítica: “Amigos para Sempre” Crítica: “Amigos para Sempre”
Crítica: “O Peso do Passado” Crítica: “O Peso do Passado”
Golden Square Shopping realiza a primeira Feira de Adoção do ano Golden Square Shopping realiza a primeira Feira de Adoção do ano
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.