Direto da Toca: Nós jogamos “Black Stories”. E adoramos!

Sempre fui fã de jogos de tabuleiro, cartas ou qualquer coisa que envolvesse raciocínio lógico. E é com grande satisfação que vejo uma espécie de retorno a esse tipo de entretenimento, que sofreu um considerável revés com o crescimento cada vez maior das plataformas de games eletrônicos.

Um dos responsáveis por essa volta são os cada vez mais celebrados Escape Games (ou Jogos de Fuga), que oferecem atividades em que o jogador participa da ação de forma literal, através de salas temáticas nas quais há os mais diversos tipos de desafios cuja proposta é fazer pensar com rapidez e lógica para conseguir fugir do local em até 60 minutos.

Foi numa visita a um desses empreendimentos (saiba mais aqui), que conhecemos o jogo de cartas “Black Stories”. A proposta é simples e eficaz: uma caixa com 50 cartões contendo pequenas histórias que devem ser contadas aos jogadores (charadistas) por um participante que terá o título de “Mestre das Charadas”. Ele é o único que conhecerá as respostas e que conduzirá os demais através de perguntas simples, até a solução do mistério.

Pode parecer fácil a princípio, mas não é bem assim, o que justamente faz do jogo um grande sucesso, porque conforme as histórias são contadas, a empolgação – e dedicação em desvendá-las – aumenta, o que significa a criação de teorias mirabolantes e muitas vezes tão detalhadas quanto a resposta correta. O mais legal é que, apesar das histórias serem “macabras” (algumas até “incômodas”), dependendo da criatividade em buscar resultados de cada um, é possível dar boas risadas com conclusões, digamos, fantásticas.

No total, há seis caixas diferentes (ou 300 Black Stories!), o que significa que muitas horas de diversão estarão garantidas. A atividade é recomendada para 2 ou mais jogadores, a partir de 12 anos de idade.

Os responsáveis pelo jogo são Holger Bösch (autor das tramas) e Bernard Skopnik (ilustrador das cartas). No Brasil, a distribuição fica por conta da Galápagos Jogos, que disponibiliza, além desta, várias outras opções interessantes em seu site oficial: www.galapagosjogos.com.br.

Crédito da foto: Angela Debellis.

por Angela Debellis

Filed in: De tudo um pouco, Direto da Toca

You might like:

Crítica: “A Fera” Crítica: “A Fera”
Crítica: “Gêmeo Maligno” Crítica: “Gêmeo Maligno”
Crítica: “X – A Marca da Morte” Crítica: “X – A Marca da Morte”
Pessoas cegas e com baixa visão participam de teste de acessibilidade em cinema Pessoas cegas e com baixa visão participam de teste de acessibilidade em cinema
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.