Direto da Toca: Participamos da Coletiva de Imprensa de “Drag me as a Queen Celebridades”

Aconteceu na manhã de hoje, a Coletiva de Imprensa para o lançamento oficial da terceira temporada de “Drag me as a Queen”. Os episódios inéditos que vão ao ar no cala E! a partir de 20 de setembro às 22h50, constituem o primeiro spin-off voltado à descoberta da diva interior de celebridades (as edições anteriores contavam com a participação de mulheres anônimas). Entre as famosas, nomes como Maria Rita – que será vista já na estreia -, Gretchen e Nicole Bahls.

O evento virtual contou com a presença de Marcello Coltro, vice-presidente de relações com Afiliados, Marketing e Criação da NBCUniversal Media e com apresentadoras Penelopy Jean e Ikaro Kadoshi. Rita Von Hunty está no Chile, realizando outro projeto e não pôde participar da Coletiva, mas deixou um vídeo para os jornalistas e mostrou bastante orgulho ao falar sobre essa temporada de “Drag me as a Queen Celebridades”.

Por falar em orgulho, essa foi a tônica da conversa que, assim como a temática do programa, conseguiu proporcionar sorrisos e reflexões com a mesma intensidade e mostrar o quão necessária é a oportunidade de se realizar uma produção desse tipo, ainda mais em tempos tão extremistas quanto estes que o mundo vive atualmente.

Marcello confirmou o aumento da duração dos episódios (que passaram de 30 minutos para uma hora) a fim de conseguir explorar um pouco mais a personalidade e história de cada Queen, e, nessa temporada em específico, mostrar o lado humano de mulheres que influenciam a audiência que acompanha o programa. Quanto à mudança de foco (de mulheres anônimas para celebridades), afirmou que a ideia surgiu no final da segunda temporada, quando a aparição de Luana Piovani provocou o recebimento de ligações de várias artistas querendo participar de episódios futuros.

Penelopy Jean falou sobre o início de sua carreira, quando deixou de lado o trabalho como Design Gráfico, para atuar como DJ em boates de música pop – ocasião em que recebeu o convite para apresentar o “Drag me as a Queen”, o que fez com que abraçasse de vez se lado feminino e começasse a ser feliz de verdade.

Também contou sobre seu receio inicial com a fama prévia das participantes desse spin-off, mas que tudo acabou acontecendo de maneira bem natural – graças, inclusive, ao ambiente majoritariamente feminino criado pela equipe responsável pelo programa. E que, por incrível que pareça, as celebridades se mostraram tímidas no início, durante os ensaios, mas que depois de montadas, suas divas interiores realmente puderam vir à tona.

Tendo como referências Xuxa, Hebe Camargo e Elke Maravilha, Penelopy se mostrou feliz com a voz e a visibilidade que as Drags estão conquistando ao redor do mundo e fez um convite para que o público assista aos episódios inéditos, até mesmo na intenção de se quebrar preconceitos através da empatia.

Para a questão sobre a maior facilidade em se trabalhar com anônimas ou famosas, Ikaro Kadoshi – que completa 21 anos de carreira em novembro – afirmou que o melhor é se trabalhar com mulheres. E que esse nova temporada é uma oportunidade de se olhar para essas mulheres sob outros prismas, uma vez que as consequências da fama são amplificadas na televisão.

Falou ainda sobre a beleza do momento em que as convidadas se veem pela primeira vez com o figurino e a maquiagem completos, e o quanto isso claramente influencia em suas posturas, atitudes e até mesmo em seu caminhar.

Ikaro deixou duas mensagens fortes e importantes: para os jovens que tencionam tornar-se Drag Queens, exaltou a importância dos estudos tão necessários durante toda a vida – o que inclui conhecimentos de outros idiomas, moda, teatro, costura, bordado, entre outras artes. Principalmente, em um momento em que as redes sociais ditam e destroem muitas coisas, é importante manterem-se fiéis a sua essência.

“Já para as pessoas conservadoras, mostrou-se aberto a conversar e lembrou: Ninguém pode mudar ninguém e ninguém muda quem não está disposto a mudar”.

Além das referências citadas por Penelopy, Ikaro acrescentou à lista as Drag Queens que participavam do Programa Show de Calouros, apresentado por Silvio Santos e disse que foi através de suas performances que ele começou a entender o trabalho de Drag como algo artístico e que também gostaria de realizar.

Prometendo grandes emoções – alguns mostrados em partes no trailer oficial da produção -, “Drag me as a Queen Celebridades” nem estreou nas telinhas e já teve uma nova temporada já confirmada para 2022. E outras (ótimas) ideias foram plantadas durante o evento com os jornalistas, como episódios com a participação de maiores de 65 anos, homens (héteros, gays e trans) e até mesmo uma versão “On the Road”, com as apresentadoras viajando pelo Brasil para encontrar participantes nos mais diversos locais.

Nossa torcida para que todas as versões venham a ser realizadas e que tenham muito êxito!

Rita Von Hunty, Penelopy Jean e Ikaro Kadoshi. Crédito: Divulgação

Frases Icônicas ditas durante a Coletiva

Penelopy Jean:

“Eu acho que na vida a gente tem que ser feliz”.

“O ‘Drag me as a Queen’ lembra as mulheres do poder feminino, que o feminino tem muita força, é sagrado”.

“Pra gente se montar, tem que se desmontar bastante”.

“No fim das contas, no fim do dia, a gente é tudo igual”.

“A cada nova montação é uma nova experiência, um novo aprendizado”.

Ikaro Kadoshi:

“Ser Drag Queen no Brasil é um exercício de amor e paciência”.

“Não deixe ninguém dizer se você está bonito ou não, porque quem diz isso é você, olhando-se no espelho”.

“Drag Queen é um ser humano, e como arte pode fazer, performar e levar o sentimento que ela quiser”.

“É o mundo, mas eu sou eu. E eu vou, porque o mundo não pode comigo”.

“A arte não tem gênero, sexo, discriminação. Qualquer ser humano pode ser Drag Queen”.

por Angela Debellis

Filed in: Direto da Toca, TV

You might like:

Shopping Estação promove Evento Especial de Halloween Shopping Estação promove Evento Especial de Halloween
Morumbi Town Shopping recebe Fut Pijama promovido pela Winners Academy Morumbi Town Shopping recebe Fut Pijama promovido pela Winners Academy
Assista a “Only Murders in the Building” de graça durante a promoção Star+ Acesso Livre Assista a “Only Murders in the Building” de graça durante a promoção Star+ Acesso Livre
“MIS Cine & Horror” desvenda o gênero que aterroriza, mas também fascina o público “MIS Cine & Horror” desvenda o gênero que aterroriza, mas também fascina o público
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.