Direto da Toca: Participamos da Coletiva de Imprensa Virtual de “Quem vai ficar com Mário?”

Crédito: Reprodução YouTube

Aconteceu na tarde de hoje, 09 de junho, a Coletiva de Imprensa Virtual do filme “Quem vai ficar com Mário?”. Mediado por Marione Tomazoni, o evento teve a participação de parte do elenco e equipe técnica da comédia romântica que conta a história do jovem Mário (Daniel Rocha), um rapaz que resolve visitar sua família que é bastante tradicional e contar para seu pai Antônio (Zé Victor Castiel), que é escritor e mora junto com seu namorado Fernando (Felipe Abib), diretor da companhia teatral Terceira Força.

Mário tem seus planos adiados, assume a cervejaria da família no lugar de seu irmão Vicente (Rômulo Arantes Neto) e se envolve com Ana (Letícia Lima), uma coach empresarial ousada que veio ajudar a modernizar os negócios dos Brüderlich.

A produtora executiva Virgínia “Kika” Limberger mostrou-se emocionada ao contar sobre a concretização do projeto iniciado por Pedro Rovai (falecido no final de 2018). Segundo ela, Pedro acreditava que tudo ficava mais palatável através do humor e foi quem deu a ideia de adaptar o longa italiano de 2010, de Ferzan Özpetek, “O Primeiro que disse” (Mine Vaganti).

Também afirmou ter a consciência do quão desafiador é lançar um filme na época atual, assim como destacou a importância de se levar uma história como a de Mário ao maior número de pessoas, na luta pela diversidade.

O diretor Hsu Chien falou sobre a parceria com Pedro Rovai para adaptar à cultura brasileira, a trama originalmente italiana, além de haver uma nítida preocupação ao lidar com a importante questão do movimento LGBTQIA+. Também afirmou acreditar na mudança das pessoas que se dispõem a isso.

Chien contou sobre a decisão de falar abertamente sobre a bissexualidade no filme, sem o temor que o público pudesse não aceitar com facilidade, ao contrário da obra original de 2010, que tem o final mais em aberto, deixando os espectadores em dúvida sobre as decisões do personagem.

Quando questionado o motivo da escolha de atores héteros para interpretar os protagonistas gays, o diretor fez uso de uma frase de Fernanda Montenegro: “Artista não tem sexo, não tem gênero” e de uma de Miguel Falabella: “O personagem vai em busca de seu ator”. A escalação do elenco veio da admiração do diretor pelo trabalho de cada ator / atriz e da vontade de trabalhar com atores que, embora não passem por isso, também pudessem ajudar o público a entender como se sente alguém que sofre com a homofobia na vida real.

Daniel Rocha que interpreta o protagonista Mário contou ser grande fã de “O Primeiro que disse” e que nunca imaginou que um dia pudesse fazer parte de uma adaptação da obra. Com sensação de ter realizado um grande trabalho, o ator teceu elogios a toda equipe.

Também falou que, ao pegar o roteiro em mãos, sua maior preocupação foi em como poderia dar voz ao personagem, como fazer o público enxergar a história de maneira que não fosse estereotipada. Para ter êxito, teve a colaboração de várias pessoas da equipe que davam suas opiniões sobre como se sentiram ao ver cada cena gravada.

Já Nany People, que interpreta uma personagem criada exclusivamente para essa adaptação, destacou a dignidade com que cada um dos personagens (e suas respectivas orientações sexuais) foi levado às telas. “Não interessa como você é, interessa como você age”, afirmou a atriz.

Em um momento bastante divertido da entrevista, Nany falou sobre a química do trabalho com o ator Zé Victor Castiel, com quem tem várias cenas na produção. Assim como revelou ter dado várias opiniões na composição do roteiro, a fim de ‘lapidar’ o texto de modo a não apresentá-lo como ofensivo em nenhum ponto.

Felipe Abib declarou ter pensado se em algum momento fará outro trabalho melhor do que esse em relação à representatividade de ser ator, além de ter falado sobre sua sensação de ter feito um filme de extremo risco (em relação à visão comercial), mas que teve um resultado muito satisfatório e bonito, por sua coragem em tratar de assuntos importantes.

“Quem vai ficar com Mário?” estreia amanhã, 10 de junho, nos cinemas brasileiros, data em que você confere nossa Crítica Completa.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema, Direto da Toca

You might like:

Crítica: Quando o Demônio chama” Crítica: Quando o Demônio chama”
HBO Max: Três primeiros episódios de “Pacificador” já estão disponíveis na plataforma HBO Max: Três primeiros episódios de “Pacificador” já estão disponíveis na plataforma
A sala mais “very porreta” do Brasil chegou ao Escape Time A sala mais “very porreta” do Brasil chegou ao Escape Time
“Pânico”: Confira novo vídeo com o elenco original “Pânico”: Confira novo vídeo com o elenco original
© 8627 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.