Direto da Toca: Resenha do livro “O Horror bate à porta”

Desde muito jovem, desenvolvi franca predileção pelo gênero terror / horror, seja em obras cinematográficas, livros, séries e, mais recente, salas de jogos de fuga (os chamados “Escape Games”).

Com essa premissa, comecei a ler o livro “O Horror bate à porta” com a nítida sensação de que este se tornaria um dos títulos de destaque em minha estante – tanto a mental, quanto a física. E eu estava certa.

Publicada pela Editora Martin Claret, a obra traz 19 contos de diversos autores em seu conteúdo. Nomes icônicos do terror como H. P. Lovecraft (responsável por “A cor do espaço distante”) e Bram Stoker (“O convidado de Drácula”), dividem espaço com outros primorosos autores, que, à primeira vista, me surpreenderam por sua contribuição ao gênero.

São eles, Sir Arthur Conan Doyle (criador das atemporais histórias do detetive Sherlock Holmes e, aqui, autor de “A mão parda” e “O caso de Lady Sannox”) e Charles Dickens – cujo nome costuma ser bastante mencionado em época de final de ano, graças a sua mundialmente conhecida obra “Um Conto de Natal”, e que participa da publicação com três contos: “O manuscrito de um louco” (em minha opinião, um dos melhores da obra), “O quarto das tapeçarias” e “O sinaleiro”.

Entre os assuntos abordados pelos textos, como já era de se esperar, o inexplicável tem local de destaque – seja através da aparição de estranhas criaturas, assombrações ou inclusões de elementos cósmicos. E a qualidade das histórias é tamanha que, mesmo os admiradores dos temas, mais “habituados” a essas composições, deverão sentir certa aflição durante o período de leitura – ainda mais se estiverem sozinhos no momento em que a fizerem (digo por experiência própria).

É absolutamente louvável a competência em se contar algo – seja com riqueza de detalhes ou oferecendo apenas as informações elementares para que o próprio leitor monte sua versão mental detalhada da história – em poucas páginas. Há contos incríveis como “A Coisa Maldita”, de Ambrose Bierce, que são compostos por apenas 12 páginas.

A edição da Martin Claret é impecável e tem um estilo muito elegante. A capa dura rubro-negra, com aplicação de verniz localizado, é tão bonita quanto assustadora. E a pintura trilateral em tom vermelho faz com que o volume torne-se ainda mais imponente.

A tradução realizada por um grupo de profissionais (Alda Porto, Bárbara Guimarães, Paulo Cezar Castanheira et. al.) consegue manter a qualidade dos textos originais e todo estilo marcante das épocas em que foram escritos.

Leitura obrigatória para os fãs do gênero.

Crédito das imagens: Angela Debellis.

por Angela Debellis

Filed in: Direto da Toca, Livros

You might like:

Direto da Toca: Participamos da Coletiva de Imprensa Virtual de “Depois a Louca Sou Eu” Direto da Toca: Participamos da Coletiva de Imprensa Virtual de “Depois a Louca Sou Eu”
Escape Time inaugura nova sala “The Wilds – Vidas Selvagens” Escape Time inaugura nova sala “The Wilds – Vidas Selvagens”
Amazon Prime Video divulga trailer oficial de “Invincible” Amazon Prime Video divulga trailer oficial de “Invincible”
Hello Kitty ganha novo álbum da Panini Hello Kitty ganha novo álbum da Panini
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.