“Tenet” leva público a cenários arrebatadores em sete países

As filmagens de Tenet levaram o cineasta Christopher Nolan, o elenco e a equipe de produção para Estônia, Itália, Dinamarca, Noruega, Reino Unido, Índia e Estados Unidos. Além do roteiro sofisticado e toda tecnologia por trás da produção, Tenet, com sua natureza global, oferece uma grande viagem pelo mundo aos espectadores.

“O componente internacional de Tenet é muito importante porque se trata de uma ameaça ao mundo inteiro – à existência como um todo – e essa premissa é parte integrante do drama. Então, eu acho que ter essa sensação global é crucial para o ritmo do filme e a construção de escopo e escala”, comenta Nolan.

Nesse passeio por diferentes cenários, a ação em Tenet já pega fogo no prólogo do filme, quando uma equipe fortemente armada invade a Ópera de Kiev. A sequência foi filmada em Tallinn, Estônia, mais precisamente em Linnahall, um local originalmente construído para os Jogos Olímpicos de Moscou de 1980, quando a Estônia fazia parte da antiga União Soviética.

“Passamos muito tempo recuperando todos os assentos da plateia e os tapetes, e tudo isso vai ficar no prédio. Para nós, era importante recuperar a essência estética da locação e adicionar um algo mais. É um grande edifício e espero que a cidade de Tallinn o salve”, revela Nolan.

Uma das sequências mais desafiadoras do filme foi a do elaborado roubo que se desenrola no Laagna Tee – uma rodovia movimentada no centro de Tallinn – com carros movendo-se tanto para frente quanto para trás. O produtor executivo Thomas Hayslip explica: “Estávamos fechando oito quilômetros de uma rodovia de seis pistas no meio de uma das áreas mais densamente povoadas da Estônia”, diz.

O cinema é magnífico e, embora cenas cruciais da trama se passem num iate como se fossem ambientadas nas águas do Vietnã, os produtores sabiam que era impraticável navegar com a embarcação Planeta Nove para o Sudeste Asiático. Em vez disso, conseguiram que a Costa Amalfitana, na Itália, fizesse as vezes do Vietnã.

“Há algumas falésias e áreas próximas que estão livres de toda a arquitetura italiana, o que nos permitiu a adaptação. Construímos uma pequena doca na praia e revestimos alguns barcos de pesca italianos para fazê-los parecer barcos de pesca vietnamitas”, revela o designer de produção Nathan Crowley.

O Reino Unido foi palco para agitação em alto mar do poderoso oligarca russo Andrei Sator, interpretado pelo ator Kenneth Branagh. Na trama, Sator possui dois catamarãs F50 de última geração. O F50 é capaz de atingir velocidades recordes de mais de 100 quilômetros e a produção elegeu a cidade portuária de Southampton para as tomadas. No Reino Unido, algumas cenas também foram rodadas em Londres, em locais como uma casa de leilões.

Na Ásia, o elenco e a equipe de produção desembarcaram em Mumbai, na Índia, no final da temporada de monções. Além do maior centro financeiro indiano, a produção também filmou no magnífico Portal da Índia (Gateway of India), com vista para o Mar Arábico.

Alguém muito familiarizado com os meandros das filmagens em sua Mumbai nativa, a atriz Dimple Kapadia, comenta: “Eu nunca tive a oportunidade de realizar esse tipo de filmagem. Estar na Índia e participar de uma produção tão colossal foi absolutamente incrível. Era tudo tão organizado e tão lindamente cronometrado, como um relógio. Todo mundo ficou abismado com o que Chris e sua equipe realizaram por lá”.

O mar e as tomadas aquáticas são marcantes na produção. Uma turbina real, em um parque eólico no Mar Báltico, na costa da Dinamarca, serviu de locação. No país, as filmagens também ocorreram em um grande navio quebra-gelo.

“Um dos principais problemas que tivemos naquela parte do mundo foi o clima”, diz Neil Andrea, coordenador da equipe de marinha. “Estávamos dentro de um parque eólico, então sabíamos que seria difícil. Tivemos, às vezes, ventos de mais de 40 nós (cerca de 70 quilômetros por hora) e ondas de 3 a 8 metros. Mas, considerando o que aprendemos com nossa experiência em ‘Dunkirk’, estávamos prontos e sabíamos como lidar com os imprevistos”, conclui. A produção também filmou por um dia na capital norueguesa, no telhado da Ópera de Oslo.

O Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, simulou Oslo em Tenet. O acidente de avião ocorrido em Oslo, no filme, foi filmado no aeroporto de Victorville, na Califórnia, próximo ao deserto de Mojave. “A sequência envolveu o avião atropelando carros, derrubando postes de luz e finalmente batendo em um prédio, antes de pegar fogo – essencialmente tudo o que um aeroporto não quer que aconteça, nós estávamos fazendo”, detalha o produtor executivo Hayslip.

“Era uma área muito grande, então colocamos condores com luzes e fontes de luz em cima de todos os edifícios ao redor. O set era visível a cerca de 1,5 quilômetro de distância, um grande desafio porque, além de tudo, tinha que parecer com um campo de pouso em Oslo”, relata o diretor de fotografia Hoyte Van Hoytema.

da Redação A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Crítica: “Trolls 2” Crítica: “Trolls 2”
Crítica: “10 Horas para o Natal” Crítica: “10 Horas para o Natal”
Crítica: “Amizade Maldita” Crítica: “Amizade Maldita”
Crítica: “Vingança e Traição” Crítica: “Vingança e Traição”
© 2020 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.