Crítica: “A Estrela Cadente”

Excêntrico, exótico, estranho, disparatado, extravagante… Todos esses adjetivos qualificativos e, seguramente, muitos outros, correspondem para definir o filme belga “A Estrela Cadente” (L’etoile filante). Dominique Abel e Fiona Gordon, diretores, roteiristas e produtores já tinham antecedentes em quatro trabalhos anteriores e criaram este último com as características mencionadas.

Parece correto também classificá-lo como pertencente ao gênero cinematográfico do grotesco, onde há uma oscilação entre o risível e o trágico e que se defronta com o ideal de beleza e sua representação.

Deliberadamente se apresentam personagens, atitudes, situações, onde prevalece o absurdo até chegar, por momentos, ao ridículo. Assim, vai contra a estética tradicional, questionando implicitamente a ordem estabelecida.

Há diversos antecedentes de tal tipo de realizações, em específico no cinema da França (aqui se fala esse idioma, que é um dos oficiais da Bélgica, de onde procede). Citamos, como exemplos que apresentam algumas dessas condições, “Delicatessen” (1991, com co-direção e roteiro de Jean-Pierre Jeunet) e “Amelie” (2001, com o mesmo profissional).

Desde o início, “A Estrela Cadente” transita nesse insólito estilo. Esse é o nome de um bar bastante marginal, onde os personagens estão situados. São eles: Dom, apelidado Boris (representado por Dominique Abel em dois papéis), um garçom/“barman”; Kayoko (Kaori Ito), que dirige o local; Tim (Philippe Martz), uma espécie de associado e Georges (Bruno Romy), que foi vítima de um atentado e procura revanche.

Das consequências de uma ação terrorista efetuada há 35 anos, o protagonista procura fugir. Contará principalmente com a ajuda de Kayoko e a sorte de ter um sósia com quem procurará ser confundido. Porém, o plano não será fácil de ser executado. Também aparecerá Fiona (Fiona Gordon), personagem igualmente excêntrica.

A trama dará lugar a uma série de situações com os traços já mencionados, às quais devem acrescentar-se momentos cômicos. Dependerá do espectador acompanhar e aceitar tudo, em especial a comicidade, mas pode-se dizer que há que ter bastante predisposição para “entrar” no código proposto pelos realizadores.

Isto porque o filme tem um ar peculiar que abrange figuras (sobretudo Dom e Fiona, magros ao extremo e alongados), gestos (por exemplo, uma mão fica levantada indefinidamente depois de bater em uma porta), conceitos (uma detetive que não tem computador e se dedica a encontrar cachorros que sumiram ou a citação do pouco conhecido “Síndrome de Lima”, no qual o torturador se apaixona pela vítima), objetos inesperados etc.

Das atuações, sobressai a de Kaori Ito, em meio a uma série de deslocamentos absurdos e exagerados de propósito e sobre atuados. Justamente ela protagoniza também um par de cenas românticas ou de sedução muito bem feitas.

Na produção destaca-se a música, bem adequada, com trilha original de Dom La Nena e Rosemary Standley e vários temas, incorporados em modo pertinente. Também há alguns achados na fotografia de Pascale Marin. A edição (Julie Brenta) não parece muito cuidadosa, pois há algumas situações pouco compreensíveis.

Em síntese, “A Estrela Cadente” é um título diferente, para um público específico, que procura obras com tramas não convencionais e que se pautam, principalmente, por pertencer ao gênero grotesco.

por Tomás Allen – especial para A Toupeira

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela Pandora Filmes.

Filed in: Cinema

You might like:

Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2” Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2”
Maneva se apresenta em São Paulo Maneva se apresenta em São Paulo
GNT abre inscrições para a plateia do “Que história é essa, Porchat?” GNT abre inscrições para a plateia do “Que história é essa, Porchat?”
Dia do Luto: Dois livros infantis para falar sobre o assunto com crianças Dia do Luto: Dois livros infantis para falar sobre o assunto com crianças
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.