Crítica: “Aliados”

Longa que se passa durante a Segunda Guerra Mundial (1942) e tem Brad Pitt e Marion Cotillard como protagonistas, recebeu uma indicação ao Oscar, de melhor figurino. O motivo não é para menos, o visual é certamente encantador e faz com que você entre na trama e participe do estilo da época. A construção do roteiro de Steven Knight (Locke), é cuidadosa e traz ao público diversas referências dos gêneros trabalhados, mas ao mesmo tempo possui alguns deslizes.

“Aliados” (Allied), dirigido por Robert Zemericks, que ficou conhecido por seus trabalhos em: “De Volta para o Futuro – Parte II” (1989); Forrest Gump (1994); Contato (1997) e “A Travessia” (2015), chega aos cinemas hoje, 16 de fevereiro – depois de ter a data de estreia adiada mais de uma vez – com uma história que transita entre o suspense e o drama.

Brad Pitt interpreta um oficial de inteligência, Max Vatan, que no início do filme é incumbido para missão de se infiltrar na alta sociedade, Casablanca, no Marrocos, ao lado de Marianne Beausejour (Marion Cotillard), membro da resistência francesa. O objetivo é fingir que é marido de Marianne para atacar um grupo de nazistas.

Ao final da primeira missão o casal se apaixona e decide se casar e ter uma vida relativamente tranquila em Londres. Os protagonistas têm uma química notável – que até foi alvo de rumores, sobre a separação de Brad Pitt e Angelina Jolie em 2016 – e faz você acreditar e torcer pelo romance dos dois.

Os efeitos especiais que representam a guerra e ataques aéreos são incríveis. E uma das cenas mais lindas da película é o nascimento da filha do casal em meio a um ataque nazista em Londres. É, de fato, uma luz em meio a tanta destruição e morte.

Como era de se esperar, um final feliz não é possível logo no começo do filme. Então, Vatan é convocado para a missão mais difícil e importante de sua vida. Oficiais britânicos acreditam que sua esposa é uma espiã nazista, que está aproveitando de sua estadia e boa vida em Londres para transmitir informações confidenciais ao exército inimigo.

Marianne encenou tão bem o papel de boa esposa, na missão em que eles se conheceram, que Vatan, mesmo não querendo acreditar, começa a duvidar se o que estava vivendo era real ou apenas mais uma de suas encenações.

Querendo provar o contrário, ele deve anotar uma informação falsa, e, caso esta seja repassada aos nazistas, Marianne será declarada culpada, e seu próprio marido terá que matá-la ou enfrentará a forca.

O enredo é guiado pela tensão e tem um desfecho excepcional. Vale a pena conferir.

por Caroline Lima – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono
Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais
Crítica: “Evidências do Amor” Crítica: “Evidências do Amor”
Crítica: “A Paixão segundo G. H.” Crítica: “A Paixão segundo G. H.”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.