Crítica: “Cinquenta Tons Mais Escuros”

Nesta quinta-feira (9), termina a grande espera dos fãs de Cinquenta Tons de Cinza pelo segundo filme da polêmica trilogia e best-seller erótico escrito por E. L. James.

Desta vez, dirigida por James Foley, a nova produção possui roteiro e plots mais trabalhados que sua antecessora, com inserção maior de coadjuvantes, porém mantendo ainda mais a estratégia de romantizar as cenas de submissão – que em comparação aos livros da série apresentam um teor frio.

Em “Cinquenta Tons Mais Escuros” (Fifth Shades of Grey), Christian Grey volta a procurar Anastasia Steele – ela mais imposta sob o seu conforto e segurança; ele mais passivo sob a saudade. O casal retoma a conversa e ao decorrer da trama tende a estimular um equilíbrio de seus limites e dificuldades, em busca de viver juntos novamente.

É destacável a melhora na atuação de Jamie Dornan interpretando o Sr. Grey, em relação ao primeiro filme que, desta vez, se apresenta bem menos robótico e mais leve – provavelmente por conta da necessidade de agora encenar um personagem traumatizado e aberto. Já Dakota Johnson, sustentou o nível de dramaticidade apresentado antes, no papel de senhorita Steele.

O elenco ainda conta com nomes como Kim Basinger interpretando Elena Lincoln, mulher que iniciou Christian em sua complexa vida sexual; a cantora / atriz Rita Ora, que reprisa o papel de Mia, irmã do protagonista; e Bella Heathcote como Leila Williams, ex-submissa de Grey.

Por mais que apresente pontos melhor aprimorados, e procure se manter fiel ao roteiro do livro no qual é baseado, “Cinquenta Tons Mais Escuros” ainda repete uma história rasa e com superficialidades, principalmente, no que diz respeito à prática BSDM. Mas entre as controvérsias da aceitação do público em geral, o filme – que também conta com uma boa trilha sonora – pode vir a ser uma boa pedida, em especial, para admiradores da saga literária.

Fica a dica para os fãs: após o término do filme, foram reservadas cenas pós-créditos: o primeiro teaser de “Cinquenta Tons de Liberdade”, episódio que conclui a trilogia nos cinemas daqui a exatamente um ano, em 09 de fevereiro de 2018.

por Abner Gonzaga – especial para A Toupeira

 

Filed in: Cinema

You might like:

Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono
Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais
Crítica: “Evidências do Amor” Crítica: “Evidências do Amor”
Crítica: “A Paixão segundo G. H.” Crítica: “A Paixão segundo G. H.”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.