Crítica: “Dias Perfeitos”

“Os milagres são uma narração em letras miúdas da mesma história que está escrita por todo o mundo em letras grandes demais para que alguns de nós leiam”. A belíssima citação do autor escritor irlandês C. S. Lewis serve para resumir de forma bastante eficiente, o drama “Dias Perfeitos” (Komorebi / Perfect Days).

Desde as primeiras cenas do longa dirigido por Win Wenders (que também escreve o roteiro junto a Takuma Takasaki), é possível observar os contrastes que permearão o caminho da produção. Assim como, desde os minutos iniciais, é fácil dizer que a sisudez imposta pelo concreto das edificações nunca será páreo para a beleza incomparável das árvores que permanecem trazendo frescor a um visual tão pouco inspirador quanto o das grandes metrópoles.

A trama passada em Tóquio nos apresenta Hirayama (Koji Yakusho), homem de meia-idade que vive sozinho em um pequeno e modesto apartamento, cercado por objetos que remetem a outras épocas, quando a tecnologia ainda não ocupava nossas vidas de maneira tão invasiva.

Entre seus “tesouros”, vêem-se estantes repletas de livros impressos (muitos adquiridos em sebos locais), uma vasta coleção de fitas cassete (de ícones musicais que vão de Patti Smith a Van Morrison, de Janis Joplin a Nina Simone), um rádio portátil, e uma inseparável câmera fotográfica analógica (com a qual registra, diariamente, as mudanças nas folhagens de uma árvore no parque, em uma linda ação que, inclusive, nomeia o filme em seu título original). Sua simpatia para com a natureza também ganha a forma de várias mudas cuidadas com rigor por ele.

Ver Hirayama conviver tão pacificamente com a própria solitude, nos dá a sensação de que é possível enxergar beleza nas coisas, por mais improváveis ou rotineiras que sejam – o que é, em geral, um duro, mas muito válido exercício a ser praticado durante toda a nossa vida.

A natureza singular e de poucas palavras do personagem faz um excepcional contraponto em todas as cenas em que ele parece interagindo com o jovem falador Takashi (Tokyo Emoto) – outro funcionário do projeto The Tokyo Toilet, empresa para a qual trabalha, com quem divide o turno matutino de limpeza e manutenção dos banheiros públicos (e altamente tecnológicos) da capital japonesa.

Esta é uma obra de detalhes. Seja pelo sugestivo nome da bebida que Hirayama toma todas as manhãs, pela ambiguidade do sorriso dado ao início de cada dia – que tanto parece carregar satisfação, quanto certo vazio – ou pela disparidade de informações capaz de criar um abismo geracional, mas não diminui o respeito e a admiração entre o faxineiro e sua sobrinha Niko (Arisa Nakano). Ou, apenas, pelo agradável fato de nos conectarmos à história, conforme nela avançamos.

“Dias Perfeitos” chega às telas dos cinemas brasileiros, como indicado do Japão ao Oscar de Melhor Filme Internacional. Entre os muitos destaques, cabe salientar a excelente trilha sonora formada por clássicos das décadas de 1960 a 1980 (inclusive, o título americano remete à canção homônima de Lou Reed, que pode ser ouvida em uma cena).

Mas, o grande êxito do longa é mesmo a interpretação de Koji Yakusho, que, com justiça, lhe rendeu o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes 2023). Através de um texto tão restrito quanto pede seu papel, ele consegue passar, com maestria, cada sentimento de Hirayama, mesmo quando a escassez de palavras configura-se como um artifício para tentar superar ou esconder determinados fatos.

A verdade (simples, mas nem sempre aceita com facilidade) é que devemos enfrentar nossas próprias sombras, para alcançar e dar valor à luz. Quando existe suavidade na alma, não há dureza do cotidiano que se mostre capacitada a sobrepujá-la.

por Angela Debellis

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela O2 Play Filmes.

Filed in: Cinema

You might like:

Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono
Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais
Crítica: “Evidências do Amor” Crítica: “Evidências do Amor”
Crítica: “A Paixão segundo G. H.” Crítica: “A Paixão segundo G. H.”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.