Crítica: “Fallen”

fallen-poster-criticaEm mais uma aposta de adaptação cinematográfica feita a partir de uma franquia literária de sucesso, chega às telonas, “Fallen” (idem), cuja trama se baseia no best-seller homônimo de autoria de Lauren Kate.

A protagonista é Lucinda Price, ou simplesmente “Luce” (Addison Timlin), jovem de 17 anos, que desde a infância é acometida por visões sobrenaturais, do que ela chama de Sombras. Após um acidente que acaba por vitimar seu amigo Trevor (Leo Suter), a garota é levada para um reformatório, onde deverá permanecer em tratamento psiquiátrico por ordem judicial.

Sword & Cross (Espada & Cruz, em tradução literal) é uma edificação antiga e assustadora – afinal não é tão usual uma escola ter um cemitério nas dependências. E os alunos da instituição não são o que se pode chamar de agradáveis – mas, como em toda boa história do gênero, há exceções.

Nesse caso, a amiga boazinha atende por Penn (Lola Kirke), e é quem ajudará Luce a enfrentar os tão complicados primeiros dias como interna. Também é ela que vai auxiliar na busca por informações sobre Daniel Grigori (Jeremy Irvine), misterioso aluno que conquista o coração da protagonista desde o primeiro instante em que se encontram.

Tudo estaria bem, se não faltasse a terceira ponta do triângulo amoroso da vez, que vai contar também com Cameron “Cam” Briel (Harrison Gilbertson), o típico “garoto problema”, cujos envolvimentos com a polícia já não surpreendem mais a ninguém.

Quando Luce começa a ter lembranças de coisas que, até onde se saiba, são impossíveis de ter vivido, vai começar a questionar a veracidade das palavras de Daniel ao afirmar que eles não se conheciam até o dia em que ela chegou ao reformatório. E a partir daí, muita coisa que não fazia sentido em sua vida, a sensação de sempre sentir-se deslocada, será elucidada.

Daniel é um “Anjo Caído” que foi condenado a viver na Terra porque além de não tomar partido na grande guerra travada entre o Bem e o Mal, ainda optou por algo inimaginável para seres como ele: o amor humano. Cam e vários outros alunos também são anjos que anseiam em voltar (seja para o céu ou o inferno), mas para isso dependem de uma decisão definitiva do protagonista e da pouco provável possibilidade dele abrir mão do sentimento que os levou a essa penitência.

As cenas que mostram a revelação das asas de Daniel, assim como a confirmação de que ele e Luce já se conhecem e nutrem um amor verdadeiro – e impossível – há milênios merecem destaque. A opção por se fazer asas como feixes de luz e transformar as Sombras em portais para o passado (os Anunciadores) são inteligentes e eficazes.

Como o livro, o longa dirigido por Scott Hicks tem um final aberto e que deixa boa parte dos conflitos sem solução. A saga literária é composta por quatro volumes, e sua continuação nas telonas dependerá, provavelmente, da recepção do público a essa primeira parte. Fica nossa torcida por êxito, porque será ótimo reencontrar os personagens futuramente em outras produções.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Mickey e Amigos – Novo álbum com single do Simple Plan Mickey e Amigos – Novo álbum com single do Simple Plan
Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto retornam ao palco do Palácio das Artes com “Valencianas” Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto retornam ao palco do Palácio das Artes com “Valencianas”
Panini no Anime Friends Panini no Anime Friends
Looney Tunes explicam modalidades dos Jogos Olímpicos em curtas animados Looney Tunes explicam modalidades dos Jogos Olímpicos em curtas animados
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.