Crítica: “Godzilla e Kong: O Novo Império”

Em seu material de divulgação, “Godzilla e Kong: O Novo Império” (Godzilla x Kong: The New Empire) traz uma frase que carrega muito mais profundidade do que pode parecer: “Levantar Juntos ou Cair Sozinhos”.

A resposta é a base sobre a qual o longa dirigido por Adam Wingard se apoia, para levar às telas uma nova (e sempre bem-vinda) possibilidade de ver os amados titãs em ação.

Se nenhum elo de amizade é capaz de uni-los, é hora de colocar as diferenças de lado e olhar para a mesma direção – nesse caso, a que conduz à derrota de um inimigo em comum, Scar King, cuja existência e total desprezo pela raça humana são letais o bastante para colocar um sinal de alerta sobre as cabeças de cada um de nós.

A trama se passa anos após os fatos vistos em “Godzilla vs Kong” e mostra um quadro de relativa calmaria, com o lagarto radioativo migrando pelos oceanos  em constante vigilância, e o macaco gigante se estabelecendo no interior da Terra Oca – que revela-se muito maior do que os espaços já mapeados pela empresa Monarca.

Um, protege a natureza, o outro, é responsável pela segurança da humanidade – o que seria realmente incrível, se os humanos tivessem a mínima capacidade de lidar com a ideia de conviver com criaturas tão ímpares (que bom que existe a ficção).

Claramente, o roteiro de Terry Rossio, Simon Barrett e Jeremy Slater dedica mais espaço à história de Kong, que, embora siga imponente, surge mais abatido – talvez pela falta de progresso na busca por algum outro membro de sua espécie – assim como ganha expressões ainda mais impressionantes, aumentando a efetividade de sua comunicação (e injetando uma boa dose de emoção à sua participação).

Isso não quer dizer que não há espaço para Godzilla, pelo contrário. A exposição do titã a uma imensa carga de radiação – cuja justificativa para tal fato é mais do que aceitável – amplifica sua relevância e eleva o seu já imenso poder a uma potência extrema – o que significa que sua presença em cena sempre acrescenta (e muito) à expectativa do público.

É fácil confirmar a vontade de ver apenas a dupla de protagonistas (e demais coadjuvantes titânicos) em ação. Mas, isso é, obviamente, impossível. Dentro desse impedimento, surgem os humanos (com suas características questionáveis, diante de tal magnitude), a fim de ajudar a costurar a narrativa. E, por incrível que pareça, dessa vez, essas participações conseguem trazer elementos surpreendentes ao filme.

Temos o retorno da Drª Ilene Andrews (Rebecca Hall), que segue à frente da equipe que monitora as atividades de Kong na Terra Oca; sua filha adotiva Jia (Kaylee Hottle), agora uma pré-adolescente que se sente deslocada em uma sociedade que em nada lembra os costumes de sua extinta tribo e terá um papel fundamental na história; e Bernie Hayes (Brian Tyree Henry), podcaster / alívio cômico, que mostra ótima química com o novo personagem Trapper (Dan Stevens), veterinário responsável por ajudar Kong em dois momentos com escalas de importância distintas.

Há muito a se destacar em “Godzilla e Kong: O Novo Império”, mas quase tudo culmina em spoilers, o que tiraria parte do impacto que certas sequências causam – em especial, quando vistas em IMAX. Ainda assim, dá para dizer o quanto é bacana acompanhar o compromisso de se levar os personagens a encontrar uma constância no chamado MonsterVerse, criando narrativas que empolgam visualmente e buscam maneiras de inserir nomes importantes da mitologia de ambos.

Conforme eu disse na saída da sessão exibida na Cabine de Imprensa, como fã dos protagonistas, continuo me empolgando – e muito – com cada retorno deles às telonas. Se todo ano tivesse um novo capítulo dessa franquia, seria um gigantesco motivo para ir ao cinema.

por Angela Debellis

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela Warner Bros. Pictures.

Filed in: Cinema

You might like:

Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono
Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais
Crítica: “Evidências do Amor” Crítica: “Evidências do Amor”
Crítica: “A Paixão segundo G. H.” Crítica: “A Paixão segundo G. H.”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.