Crítica: “Invasão Zumbi”

invasao-zumbi-poster-criticaA primeira impressão que o título “Invasão Zumbi” (Busanhaeng) pode passar é a de que desde a primeira cena, há de se esperar muita correria, confusão, sangue e pedaços de corpos dilacerados. Porém ao invés disso, o filme começa mostrando simplesmente a história rotineira de uma família coreana, com um rapaz bem sucedido e uma criança enfrentando o divórcio dos pais e sendo criada pela avó paterna.

Esse é o contexto dado no início da produção. Seok-woo (interpretado por Gong Yoo) é um jovem pai divorciado, que tenta remediar algumas decepções que causou em sua filha e para tentar se aproximar da criança, atende o pedido dela: viajar de trem para encontrar sua mãe, como presente de aniversário.

Um dos grandes diferenciais do longa sul coreano frente a outros com o mesmo tema, é a inocência dos passageiros do referido trem, pois estes não possuem nenhuma informação do que está acontecendo na cidade, até que um deles já contaminado pelo vírus se torna um zumbi – e este é o ponto chave de toda a carga de adrenalina que jorra na tela. Pense no seguinte quadro: você está fugindo de uma cidade empesteada de monstros; o “único problema” é que eles estão justamente indo bem atrás (ou já estão ao seu lado).

Se você não gosta de histórias escancaradas envolvendo apocalipses zumbis ou até se arrisca a ver, mas não tem muita paciência para esse tipo de ficção, esse filme é perfeito para o seu caso. É bem provável que não só fique impressionado com a maquiagem e atuações (ambas sensacionais), como também se envolva com cada personagem apresentado do decorrer da narrativa.

Arrisco-me a dizer que o diretor Sang-Ho Yeon escolheu as personalidades de maneira proposital para que quando o espectador fosse assistir, conseguisse ter a percepção de todos, ainda que tão diferentes entre si. Tanto das irmãs idosas, quanto dos adolescentes do time de beisebol; tanto da mãe grávida tentando salvar sua filha que ainda nem nasceu, quanto da filha ainda criança, que vê o pai arriscando a própria vida para salvá-la.

Cada um tem um motivo especial para não morrer – ou melhor, para não contrair o vírus – e isso é o que torna o longa tão tocante.  Obviamente, muitas técnicas relevantes foram usadas para que se elevassem as sensações de quem acompanha a trama na telona – destaque para a competente seleção da trilha sonora e execução dos efeitos sonoros.

Vá ao cinema nesse finalzinho de 2016 para viver muitas emoções. E se você for tão sensível quanto quem escreve este texto, ainda conseguirá encontrar uma mensagem linda de união e altruísmo.

por Ingrid Gois – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2” Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2”
Maneva se apresenta em São Paulo Maneva se apresenta em São Paulo
GNT abre inscrições para a plateia do “Que história é essa, Porchat?” GNT abre inscrições para a plateia do “Que história é essa, Porchat?”
Dia do Luto: Dois livros infantis para falar sobre o assunto com crianças Dia do Luto: Dois livros infantis para falar sobre o assunto com crianças
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.