Crítica: “Minha Mãe é uma Peça 3”

“Minha Mãe é uma Peça” é uma das melhores produções do humor nacional da década – se não a melhor. Talvez porque ao menos uma característica da Dona Hermínia consigamos reconhecer em alguma mulher a nossa volta ou em nós mesmos. Outro ponto positivo é a forma natural com que são abordados assuntos atuais e a quebra de estereótipos ou preconceitos. Há um equilíbrio muito certeiro entre o risível e o dramático.

No início de “Minha Mãe é uma Peça 3”, vemos Dona Hermínia (Paulo Gustavo), deprimida com a ausência dos filhos crescidos e independentes, contudo logo é surpreendida com a notícia de que Juliano (Rodrigo Pandolfo) irá se casar e que Marcelina (Mariana Xavier) está grávida do namorado que conheceu há pouco tempo. Outro detalhe é que Carlos Alberto (Herson Capri), resolve se mudar para o mesmo condomínio que ela, e agora são vizinhos de apartamento.

Com todas essas novidades a matriarca pensa que será útil e necessária novamente, e tenta participar de maneira ativa, tanto da gestação de Marcelina, quanto do casamento de Juliano. Porém os filhos já estão sob o controle da situação, o que é um tremendo banho de água fria para ela, que se sente dispensável e se impõe limites – os quais não consegue respeitar, afinal conhecemos D. Hermínia, não é mesmo?

O longa transita por diversos cenários e temos nossa protagonistas em vários momentos de seu cotidiano, sempre com sua extravagância habitual, falante e sinceríssima. Em um único filme ela vai para os EUA, caminha à beira-mar, reencontra as irmãs, torna-se avó, briga com a sogra do filho, com Marcelina, com Juliano, com Carlos Alberto e faz as pazes com todos eles. São contadas muitas histórias dentro de uma só.

A produção é cativante e garantia de boas risadas do início ao fim. Conversa sobre temas contemporâneos de maneira clara, como casamento homoafetivo e novos formatos de família, assim como novas formas de gestar, parir e educar um bebê e tudo isso sem perder o bom humor.

Cabe lembrar que, mesmo sendo criticado por seu posicionamento em relação a não haver um beijo entre dois homens (ou duas mulheres) em seu roteiro, o filme dirigido por Susana Garcia, consegue dar conta do recado e se colocar muito bem. Ah! e não vá embora antes que acabem os créditos. Vale conferir.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Para quem ama investigação: cinco séries de espionagem disponíveis na Max Para quem ama investigação: cinco séries de espionagem disponíveis na Max
Dubladores de Chiquinha e Seu Madruga participam de painéis do Dia do Orgulho Nerd Dubladores de Chiquinha e Seu Madruga participam de painéis do Dia do Orgulho Nerd
“Frankenstein”, clássico de 1931, ganha sessão gratuita com debate científico no MIS “Frankenstein”, clássico de 1931, ganha sessão gratuita com debate científico no MIS
Direto das Toca: Conhecemos a Exposição “Corpo Humano” Direto das Toca: Conhecemos a Exposição “Corpo Humano”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.