Crítica: O Homem de Aço”

120713 O Homem de Aço estreiaFãs de quadrinhos têm gostos amplamente distintos e predileções ferrenhas, seja por um personagem em si, ou mesmo por uma editora em especial. Mas com uma coisa, é certo que a grande maioria concorda: quando pensamos em “Super Heróis”, um dos primeiros que nos vem à mente é o Superman – até porque a simples menção de seu nome já nos provoca isso.

Mas, o que é um herói se não alguém cuja presença nos faz ver que ainda existem razões pelas quais lutar, que nos mostra que, apesar de tudo, ainda vale a pena acreditar? E é justamente essa crença que é posta à prova em “O Homem de Aço” (Man of Steel), responsável direto pela promissora revitalização da franquia do icônico personagem nas telonas.

Já no início do longa é possível perceber sua magnitude. Com o recurso do 3D e a imersão proporcionada pela tela de IMAX, fazemos uma triste viagem pelos últimos momentos do planeta Krypton e conhecemos Jor-El e Lara, que depositam suas esperanças de um futuro melhor nas mãos do pequenino Ka-El em sua viagem a um certo planetinha azul orbitado por uma estrela amarela…

O toque de mestre de Christopher Nolan pode ser notado pelo uso de flashbacks durante toda a trama, de maneira não linear, muito semelhante ao apresentado em outra obra do gênero, “Batman Begins”. Zach Snyder também merece aplausos pela coragem em dar um ar mais atual à trama.

Não espere por alguém ostentando capa vermelha e uniforme azul já nos primeiros instantes. Até Clark Kent descobrir o quanto seu lado Superman pode – e vai – fazer a diferença no mundo, muita história será contada – o que só aumenta a importância da aparição do Super-Herói propriamente dito.

Tudo funciona. O elenco em sintonia, nos faz chorar a morte dos El (Russel Crowe e Ayelet Zurer, primorosos), querer ser vizinhos dos Kent (Kevin Costner e Diane Lane, impecáveis), sonhar em trabalhar no Planeta Diário com Lois Lane e Perry White (uma linda Amy Adams e um coerente Laurence Fishburne) e esperar pela descoberta que existe mesmo um Clark a postos para nos proteger de qualquer mal desse ou de outro planeta.

Sem contar o trio de vilões que tem Michael Shannon à frente como um cruel General Zod, cuja presença nas cenas de luta de ação rende momentos memoráveis.

Mas o grande mérito é de Henry Cavill, que pôs todas as suspeitas dos espectadores de lado e imprimiu sua própria marca nesse Universo tão rico do Último Filho de Krypton. Christopher Reeve será eterno, mas agora encontrou um substituto à altura.

Apaixonada pela trilha original de John Willians (que embalou tantas cenas inesquecíveis dos longas da década de 1970 e 1980), me rendi ao belíssimo trabalho de Hans Zimmer e saí do cinema com a certeza de que o terei em minha coleção de favoritos.

Várias “pistas” servem para ampliar a expectativa pela próxima – e já confirmada – aventura nos cinemas. Mas só os mais atentos perceberão a sutileza com que são mostradas, por isso, atenção aos detalhes!

A última frase do filme, dita por Lois Lane, é simples e genial. Poucas palavras que servem para resumir o sentimento de vários fãs, caso tivessem a oportunidade de estar em frente a um dos maiores heróis de todos os tempos.

Imperdível.

120713 Toupeira Homem de Aço

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2” Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2”
Maneva se apresenta em São Paulo Maneva se apresenta em São Paulo
GNT abre inscrições para a plateia do “Que história é essa, Porchat?” GNT abre inscrições para a plateia do “Que história é essa, Porchat?”
Dia do Luto: Dois livros infantis para falar sobre o assunto com crianças Dia do Luto: Dois livros infantis para falar sobre o assunto com crianças
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.