Crítica: “O Menino e a Garça”

Embora tenha inúmeras indicações anteriores de pessoas conhecidas – e ciente de sua importância para a indústria da animação – nunca cheguei a assistir, por completo, a nenhuma obra do Studio Ghibli.

O que significa que fui à Cabine de Imprensa de “O Menino e a Garça” (Kimitachi wa dô ikiru ka / The Boy and the Heron) imaginando que veria algo de extrema qualidade, porém, sem o apego emocional desenvolvido pelos fãs dos trabalhos anteriores de Hayao Miyazaki. Mas, logo entendi o motivo de tanta aclamação – profissional e pessoal ao diretor e sua filmografia.

A trama começa em 1942, durante a Guerra do Pacífico, e nos apresenta Mahito Maki (voz de Soma Santoki na versão original e Luca Padovan, em inglês), jovem de 12 anos que vê sua vida ser drasticamente alterada devido à repentina perda de sua mãe Hisako (vítima de um bombardeio em um hospital).

Um ano após o triste acontecido, o garoto e seu pai Shoichi (Takuya Kimura / Christian Bale) saem de Tóquio, rumo ao interior do Japão, onde passarão a viver na casa de Natsuko Kimura (Yoshino Kimura / Gemma Chan) – tia materna de Mahito, prestes a tornar-se sua madrasta e que está à espera de seu primeiro filho.

Com as obrigações profissionais em uma fábrica de peças bélicas mantendo seu pai a maior parte do tempo longe de casa, o menino se verá na complicada situação de ter que responder, de maneira solitária, a questão (muito mais complexa e profunda que pode parecer à primeira vista) “Como você vive?”. Tal indagação também está no título do romance “How do you live?”, lançado em 1937, do autor japonês Genzaburō Yoshino, no qual a produção cinematográfica é levemente baseada.

Esse será o tema da busca de Mahito que, entre a dor do luto, a impossibilidade de evitar mudanças radicais, o inevitável medo do desconhecido e ânsia desesperada por isolar-se (mesmo que para isso, até mesmo a dor física se faça necessária), acabará descobrindo que, por trás desse véu de normalidade imposto pela vida, pode haver muito mais a se conhecer e aprender.

Seu guia nessa jornada será uma majestosa garça real (Masaki Suda / Robert Pattinson), que passa a rondar seus passos, desde sua chegada à nova residência. Recebida de modo pouco amistoso (afinal, o garoto cresceu em meio à violência e esse é um elemento presente em sua rotina), logo a figura mostra-se interessante o bastante para despertar sua curiosidade – sentimento amplificado por uma promessa que deve tocar muitos corações na plateia.

A improvável dupla percorrerá uma espécie de mundo mágico, que servirá de cenário para a aparição de criaturas que transitam entre o encanto – na forma dos pequeninos Warawara (meus favoritos), e o temível – tão bem representado pelo Rei Periquito (Jun Kunimura / Dave Bautista) e seus asseclas antropomorfos.

E se o fantástico impressiona, assim também acontece com os personagens humanos, em especial, a jovem com poderes de fogo, Lady Himi (Aimyon / Karen Fukuhara) e o Tio-Avô de Mahito (Shôhei Hino / Mark Hamill) – ambos com grande importância, tanto na narrativa geral, quanto no caminho trilhado pelo menino nesse universo à parte.

A imbatível técnica 2D segue exercendo seu natural fascínio em milhares de quadros pintados à mão, que resultam em um permanente ar de obra de arte, onde cada frame é belo e nos fazer querer aproveitá-lo por completo, em todos os seus mínimos detalhes.

Sob a delicada trilha de Joe Hisaishi, andamos ao lado dos personagens, dividindo o peso de tantas descobertas e escolhas, tal qual acontece com cada um de nós, conforme se passam os anos e as responsabilidades tornam-se mais frequentes do que os momentos de prazer. E assim, talvez nos aproximemos, de modo inato, da resposta à importante questão que fundamenta o longa.

Com várias conquistas prévias – entre elas, o Globo de Ouro e o Bafta (sendo o primeiro anime a ganhar tal prêmio) – “O Menino e a Garça” também concorre ao Oscar de Melhor Animação, podendo tornar-se o segundo título do Studio Ghibli a vencer esta categoria (“A Viagem de Chiriro” levou a estatueta em 2003).

Vale muito a pena conferir nos cinemas.

por Angela Debellis

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela Sato Company.

Filed in: Cinema

You might like:

Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono
Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais
Crítica: “Evidências do Amor” Crítica: “Evidências do Amor”
Crítica: “A Paixão segundo G. H.” Crítica: “A Paixão segundo G. H.”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.