Crítica: “O Último Rei da Sérvia”

Produções baseadas em histórias reais (ou não), voltadas às duas Grandes Guerras não são mais novidade. Na realidade o tema já está saturado e dificilmente haverá algo diferente de países tentando honrar seus heróis ou defender seus posicionamentos.

Em “O Último Rei da Sérvia” (King Petar The First), vemos Petar I (Lazar Ristovski), um rei com um pouco mais de idade que anseia por conduzir seu povo pelos caminhos da paz e da liberdade, contudo a Europa passa pelas tormentas da Primeira Guerra Mundial.

O exército sérvio luta bravamente e consegue avanço nas batalhas, porém o governo exige a retirada dos soldados e Petar se vê obrigado a embarcar numa jornada em meio a montanhas congeladas – um percurso muito exaustivo, principalmente para homens fragilizados com os horrores da guerra.

O longa dirigido por Petar Ristovski é um relato lento das mazelas enfrentadas por soldados durante as batalhas e uma tentativa de reafirmar, em todo momento, a generosidade de um rei.

Pela narrativa, acompanhamos um jovem soldado ansioso para servir ao seu país, porém que se decepciona ao entender para onde de fato tinha ido; uma criança cuja infância foi destruída e se junta a um pelotão após ver toda família ser assassinada por combatentes inimigos; uma mãe que teme pela vida de seu único filho. E por fim, o Rei, que apesar de melancólico é leal ao seu povo.

Durante toda produção é possível perceber o ar coreografado das cenas de combate ou até mesmo enquanto a população devastada pela guerra tenta desesperadamente fugir.

Contudo as atuações de Milan Kolak e Lazar Ristovski são pontos positivos para o longa, ambos dão emoção aos personagens e sustentam a proposta.

O filme é extenso (pouco mais de duas horas), o que não seria um problema se fôssemos apresentados a uma história cativante. Como é o caso de “A Lista de Schindler” que, mesmo com uma temática um pouco diferente, também tem um ritmo lento, porém em nenhum momento deixa de ser interessante.

Não cabe a nós duvidar do caráter do Rei Petar I, mas o roteiro não aproveitou “os fatos reais”. Ao invés disso, o espectador é incumbido da missão de assistir a cenas que em sua maior parte são clichês do que é mostrado em filmes do gênero.

Vale lembrar que o drama biográfico de guerra é uma das apostas da semana do Cinema Virtual.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

https://www.youtube.com/watch?v=5P2aG8CHP08

*Título assistido via streaming, a convite da Elite Filmes.

Filed in: BD, DVD, Digital

You might like:

Para quem ama investigação: cinco séries de espionagem disponíveis na Max Para quem ama investigação: cinco séries de espionagem disponíveis na Max
Dubladores de Chiquinha e Seu Madruga participam de painéis do Dia do Orgulho Nerd Dubladores de Chiquinha e Seu Madruga participam de painéis do Dia do Orgulho Nerd
“Frankenstein”, clássico de 1931, ganha sessão gratuita com debate científico no MIS “Frankenstein”, clássico de 1931, ganha sessão gratuita com debate científico no MIS
Direto das Toca: Conhecemos a Exposição “Corpo Humano” Direto das Toca: Conhecemos a Exposição “Corpo Humano”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.