Crítica: “Rogue One – Uma História Star Wars”

rogue-one-poster-criticaATENÇÃO: RISCO DE SPOILERS

“Rogue One: Uma História Star Wars” (Rogue One: A Star Wars Story). É com esse título que damos início ao inesperado… Como será o primeiro filme derivado dessa maravilhosa e longeva saga? O que está reservado para nós, fãs, nesse futuro incerto? Foi assim que adentrei a sala de cinema, com essas incertezas, mas confiante de que a Disney faria um ótimo trabalho.

Infelizmente, o letreiro inicial não existe… Começa com o tão conhecido “Há muito tempo, em uma galáxia muito, muito distante” e já corta para o filme, estratégia da Disney para diferenciar a “saga principal” dos derivados.

Somos apresentados rapidamente a todos os personagens que compõe o esquadrão “Rogue One” e aos vilões como o diretor Orson Krennic (Ben Mendelson), que, diferente da imponência mostrada nos trailers, é totalmente ofuscado pela versão CGI (que em minha opinião, ficou perfeita) de Peter Cushing, o Grand Moff Tarkin, o verdadeiro vilão da história.

Varias referências são mostradas ao longo da trama dirigida por Gareth Edwards, um verdadeiro fan service. A presença do maior vilão de toda saga, Darth Vader, se resume a cerca de 4 minutos, mas as duas cenas em que aparece são de arrepiar, expondo um lado cruel desse personagem inigualável.

A protagonista Jyn Erso (Felicity Jones) parece jogada na tela, sua presença se resume ao fato dela ser filha do homem que ajudou a projetar a Estrela da Morte e suas motivações são um pouco fracas. Já Cassian (Diego Luna), Baze (Jiang Wen), K2-SO (Alan Tudyk) e os demais membros do Esquadrão Rogue, se sobressaem mais, principalmente Chirrut (Donnie Yen), cuja fé na Força e habilidades em luta, suprem a falta dos Jedi no longa. Entre os nomes já conhecidos, Bail Organa (Jimmy Smits), ao sair de sua cena final, deixa a sensação de que é a última vez que o veremos, pois sabemos qual é o seu destino trágico.

Com ação o tempo todo, ritmo frenético, chegamos ao 3º ato com uma verdadeira “Guerra nas Estrelas” entre Império e Rebelião, onde há mais personagens populares – os membros do Esquadrão Vermelho que lutaram na Batalha de Yavin estão lá, em CGI.

Com um final trágico e ao mesmo tempo esperançoso, os Rebeldes conseguem sua primeira vitória contra o malvado Império Galáctico (como diz o letreiro inicial de “Star Wars IV – Uma Nova Esperança”). Para coroar de vez a produção, ainda há uma pequena, porém muito importante participação de um dos nomes mais aclamados da franquia: a Princesa Leia Organa (Carrie Fisher).

Imperdível.

por Thiago Kenobi – XO do Rebel Legion Brasil – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono
Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais
Crítica: “Evidências do Amor” Crítica: “Evidências do Amor”
Crítica: “A Paixão segundo G. H.” Crítica: “A Paixão segundo G. H.”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.