Crítica: “Tel Aviv Em Chamas”

Em uma primeira análise, parece difícil enxergar qualquer coisa que possa ser minimamente engraçada no conflito israelense-palestino. Mas, acredite: é isso que a comédia originária de Luxemburgo, Israel e Bélgica, “Tel Aviv Em Chamas” (Tel Aviv On Fire), consegue apresentar, ao inserir tal assunto em seu roteiro da maneira mais inusitada, e ainda assim sem faltar com o respeito de forma impensada.

A trama gira em torno da série ficcional que dá nome ao longa, cuja narrativa transita entre espionagem clássica e romance escancarado, com a ação da obra televisiva se passando pouco antes da Guerra dos Seis Dias, em junho de 1967.

O protagonista do longa é o árabe Salam (Kais Nashif), sobrinho de Bassam (Nadim Sawalha), dono do canal de TV, que se se torna um dos roteiristas da série após um mal-entendido que leva a equipe a acreditar que ele é o responsável pela criação de cenas que levam a história a outro patamar em busca da manutenção da audiência e atenção do público que acompanha cada capítulo da produção.

O palco para tal equívoco é a barreira militar montada na fronteira entre as cidades de Tel Aviv e Jerusalém, pela qual Salam precisa passar diariamente – e que mostra a dura realidade de quem de fato necessita enfrentá-la na vida real. Lá, ele conhece Assi (Yaniv Biton), General israelense que, após encontrar documentos referentes à “Tel Aviv Em Chamas” em seu carro, decide opinar – de maneira bastante contundente – no que deve acontecer na série, que é a preferida de sua esposa.

Tal parceria inusitada acaba se mostrando benéfica para ambos: enquanto Salam ganha a confiança necessária para escrever o roteiro de cada episódio, Assi consegue transportar para a tela ações que gostaria de ver em sua vida real, inclusive inserindo frases imediatamente reconhecíveis para sua esposa nos diálogos do casal de protagonistas.

Caberá a Salam equilibrar as exigências de Tala (Lubna Azabal) – atriz francesa que dá vida à “mocinha” da série, as obrigatoriedades do tio e dos patrocinadores da obra e a expectativa cada vez mais limitadora de Assi. Some-se a isso, a tentativa de reconquistar sua ex-namorada Mariam (Maisa Abd Elhadi) e todos os elementos para garantir a diversão dos espectadores estão garantidos pelos 101 minutos de duração da comédia.

Existe uma nítida preocupação em não se ultrapassar nenhum limite que pudesse colocar o filme em uma posição desconfortável, afinal, embora trate de um assunto bem mais leve, ainda existe um viés político por trás de seu roteiro. E isso foi muito bem cumprido pelo diretor Sameh Zoab (que também é roteirista ao lado de Dan Kleinman), que entrega um resultado que consegue ganhar a simpatia da plateia de maneira fluida e eficaz.

Vale muito a pena conferir.

por Angela Debellis

*Filme assistido durante Cabine de Imprensa promovida pela Pandora Filmes.

Filed in: Cinema

You might like:

Petlove celebra 25 anos com evento de adoção em nova loja conceito na Oscar Freire, em São Paulo Petlove celebra 25 anos com evento de adoção em nova loja conceito na Oscar Freire, em São Paulo
“Era imperativo para mim que tudo fosse feito do ponto de vista da Amy”, afirma roteirista de “Back to Black” “Era imperativo para mim que tudo fosse feito do ponto de vista da Amy”, afirma roteirista de “Back to Black”
Jeffrey Wright é confirmado no elenco da segunda temporada de “The Last Of Us” Jeffrey Wright é confirmado no elenco da segunda temporada de “The Last Of Us”
“Nove e Meia Semanas de Amor”: Clássico dos Anos 1980 volta aos cinemas em junho “Nove e Meia Semanas de Amor”: Clássico dos Anos 1980 volta aos cinemas em junho
© 0110 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.