Crítica: “Turma da Mônica – Lições”

Nas palavras de C. S. Lewis (aclamado autor de “As Crônicas de Nárnia”): “Um dia você será velho o bastante para voltar a ler contos de fadas”. Assim também é se pensarmos em histórias em quadrinhos, que tanta companhia são capazes de nos fazer, no decorrer de nossas vidas.

Com a afirmação de que “É possível crescer sem deixar de ser criança”, as queridas criações de Mauricio de Sousa voltam às telonas, para mais uma aventura live-action que, com brilhantismo, externa os mais diversos sentimentos e oferece uma das experiências cinematográficas mais gratificantes de 2021.

Dois anos depois de acompanharmos os personagens no cinema em “Turma da Mônica – Laços”, temos seu ansiado retorno na adaptação da segunda parte da trilogia de graphic-novels de Vitor e Lu Cafaggi: “Turma da Mônica – Lições”.

Com Daniel Rezende mais uma vez à frente da direção, a trama gira em torno de Mônica (Giulia Benite), Cebolinha (Kevin Vechiatto), Magali (Laura Rauseo) e Cascão (Gabriel Moreira), que terá que enfrentar as consequências de suas ações, assim como a incontrolável ação do tempo, o que faz com que as despreocupações da infância pareçam cada vez mais distantes.

Tudo começa quando, após não ter feito a lição de casa, o quarteto decide fugir pulando o muro da escola, para evitar punições. Mas, tal ação é mal sucedida com a queda de Mônica – o que lhe provoca uma fratura no braço.

Insatisfeitos com o ocorrido, os pais da garota decidem que ela não mais poderá ter contato com seus amigos, o que implica em uma inesperada mudança de escola e na proibição de encontros e brincadeiras.

E as tais “Lições” do título também atingem os demais personagens: Cebolinha é encaminhado a uma fonoaudióloga, a fim de tratar sua alteração de fala; Magali é matriculada em uma escola de culinária, para tentar controlar seu apetite – aqui, inteligentemente visto como resultado de ansiedade; Cascão terá que enfrentar seu medo de água e fazer aulas de natação.

O roteiro de Thiago Dottori e Mariana Zatz consegue a façanha de pegar uma joia (a graphic novel homônima na qual o filme se baseia) e transformar em algo ainda mais precioso, com a introdução de novos nomes à história – entre eles, Tina (Isabelle Drummond) e Rolo (Gustavo Merighi) – todos com alguma função narrativa que torna-se fundamental para que o resultado seja impecável.

Como destaque, a sequência que tem como pano de fundo a apresentação da famosa “Cena do Balcão” do clássico literário de Shakespeare, “Romeu e Julieta”, que ganha uma importância bem maior na tela e deve ser responsável por boa parte das lágrimas da plateia.

Também vale destacar a evolução dos protagonistas, que parecem ainda mais à vontade em cena e transitam com naturalidade entre emoções variadas – exatamente como acontece quando passamos pela fase que engloba o fim da infância e o início da adolescência.

Com muitos easter-eggs – alguns bem visíveis, outros que serão notados primeiramente pelos fãs de longa data – “Turma da Mônica – Lições” surpreende, encanta, diverte e emociona na mesma proporção. E, para tornar-se ainda melhor, tem uma das melhores cenas pós-créditos dos últimos tempos.

Imperdível.

por Angela Debellis

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela Paris Filmes.

Filed in: Cinema

You might like:

Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono
Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais
Crítica: “Evidências do Amor” Crítica: “Evidências do Amor”
Crítica: “A Paixão segundo G. H.” Crítica: “A Paixão segundo G. H.”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.