Crítica: “Um Dia de Chuva em Nova York”

“Um Dia de Chuva em Nova York” (A Rainy Day in New York), dirigido por Woody Allen, conta a história de Ashleigh (Elle Fanning) e Gatsby (Timothée Chalamet), um jovem casal que planeja uma viagem romântica a Nova York. Ao chegarem à cidade, os planos mudam e a garota consegue a oportunidade de acompanhar em primeira mão o trabalho do famoso diretor de cinema Roland Pollard (Liev Schreiber), enquanto o rapaz reencontra Chan (Selena Gomez), irmã caçula de uma ex- namorada.

O longa não garante uma narrativa muito bem elaborada, e tão pouco supre nossas expectativas – apesar de Woody Allen manter a pose de ser um dos melhores cineastas americanos, alguns de seus trabalhos tem deixado a desejar.

A história não é ruim, e em certos momentos até consegue arrancar alguns risos dos espectadores, entretanto, tudo parece ser feito de maneira acelerada, o que pode fazer o público ficar confuso, sem entender muito bem como as coisas foram se desenrolando. Além do mais, isso acarretou outro ponto negativo – a química inexistente da dupla de protagonistas.

Elle e Timothée tinham tudo para protagonizar um excelente casal apaixonado, porém, essa imagem foi completamente derrubada por personagens que não conseguiram o encaixe perfeito em cena. Gatsby é um garoto rico, que tem tudo o que deseja – exceto confiança em si mesmo, quando o assunto é sua namorada. Ashleigh é uma estudante de jornalismo que rapidamente se deslumbra com a fama de seus entrevistados. Nos raros momentos em que os jovens estão juntos, vemos uma relação baseada em comodismo.

O filme não foge muito do que Allen está acostumado a produzir, afinal, ele ainda prioriza a temática de triângulos amorosos e o romance por pessoas mais velhas. Particularmente, acredito que a história teria muito a melhorar nesses dois fatores, pois, não traz nada diferente do que já estamos acostumados a ver no cinema em geral.

Entretanto, não é justo pontuarmos apenas os pontos menos atrativos, já que a produção também acertou em fatores como a fotografia e as referências culturais. Pode até ser que o longa não agrade a todos os públicos, mas é inegável que toda sua estrutura foi feita de forma muito delicada, o que nos remetem a construção de sonhos e a audácia de sair da zona de conforto.

por Victória Profirio – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Sugestões de presente para o Dia dos Namorados – Brasil Cacau apresenta chocolates para a data Sugestões de presente para o Dia dos Namorados – Brasil Cacau apresenta chocolates para a data
Batida de saquê com leite fermentado da Água Doce para o fim de semana Batida de saquê com leite fermentado da Água Doce para o fim de semana
Petlove celebra 25 anos com evento de adoção em nova loja conceito na Oscar Freire, em São Paulo Petlove celebra 25 anos com evento de adoção em nova loja conceito na Oscar Freire, em São Paulo
“Era imperativo para mim que tudo fosse feito do ponto de vista da Amy”, afirma roteirista de “Back to Black” “Era imperativo para mim que tudo fosse feito do ponto de vista da Amy”, afirma roteirista de “Back to Black”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.