Exposição “Mancha de Dendê não sai – Moraes Moreira” é prorrogada

Crédito: Caio Lírio

A exposição “Mancha de Dendê não sai – Moraes Moreira”, que acontece no Museu Histórico da Cidade, no Parque da Cidade, na Gávea, ultrapassa a marca de dez mil visitantes no Rio de Janeiro. Sucesso de público desde sua abertura, em dezembro, a mostra teve sua data de encerramento prorrogada e ficará aberta para visitação até 12 de março.

Além do Parque da Cidade ser um local incrível no coração do Rio, também é uma opção de passeio cultural bacana para curtir os dias de férias com as crianças: após a visitação de “Mancha de Dendê não sai – Moraes Moreira” o museu oferece um espaço para que os visitantes mirins possam criar “cordel” com as informações sobre a exposição. Moraes Moreira também era acadêmico – ocupava a cadeira de número 38 da Academia Brasileira de Literatura de Cordel.

Gratuita, única e exclusiva, a exposição – realização da Maré Produções e Moraes Moreira, ainda em vida – apresenta uma retrospectiva abrangente da carreira do artista, destacando sua versatilidade como compositor, suas parcerias musicais, suas incursões na literatura e suas raízes profundamente conectadas à Bahia.

O projeto é uma iniciativa inédita que proporciona aos visitantes uma imersão sensorial na história da música popular e da cultura brasileira por meio da vida e obra de um dos artistas mais relevantes do país.

Toda a atmosfera da mostra promove aos visitantes uma experiência sonora pela poesia de Moraes Moreira através de todo seu trabalho, explora a diversidade musical do Brasil, através das canções do artista, reconhecido por mesclar ritmos como frevo, baião, rock, samba, choro e música erudita em suas composições.

Além disso, são evidenciadas suas colaborações musicais com seu filho Davi Moraes, bem como suas incursões no campo da literatura como cordelista e cronista de histórias da Bahia.

A exposição é uma merecida homenagem a esse legado duradouro e à sua personalidade marcante, refletida tanto em seu trabalho artístico quanto em suas raízes baianas. ‘Mancha de Dendê não sai’ foi idealizada pela produtora cultural Fernanda Bezerra e pela cenógrafa Renata Mota, que também assina a direção de arte e curadoria do projeto.

Apresentada pelo Ministério da Cultura e Instituto Cultural Vale, através da Lei Federal de Incentivo à cultura é uma realização da Maré Produções, Ministério da Cultura e Governo Federal União e Reconstrução na régua – a mostra segue a temporada de sucesso que teve em Salvador, com um público de 25 mil pessoas, entre agosto e novembro do ano passado.

Serviço:

Mancha de Dendê não sai – Moraes Moreira

Até 12 de março. De terça a domingo, das 9h às 16h

Museu Histórico da Cidade

Est. Santa Marina, s/n, Gávea

Gratuito

https://museudacidadedorio.com.br/

da Redação A Toupeira

Filed in: Saia da Toca

You might like:

“Kung Fu Panda 4”: Po enfrenta nova vilã em trailer inédito divulgado pela Universal Pictures “Kung Fu Panda 4”: Po enfrenta nova vilã em trailer inédito divulgado pela Universal Pictures
Aventura sobrenatural: Escape 60′ leva jogadores a um necrotério amaldiçoado na Vila Olímpia Aventura sobrenatural: Escape 60′ leva jogadores a um necrotério amaldiçoado na Vila Olímpia
UCI exibe documentário de Nickelback nos cinemas UCI exibe documentário de Nickelback nos cinemas
Para quebrar o jejum: panqueca pró-imunidade com glutamina Para quebrar o jejum: panqueca pró-imunidade com glutamina
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.