“Pica-Pau: O Filme” mostra luta contra o maior vilão das aves: o desmatamento

O primeiro desenho animado exibido na TV brasileira, em 1950, ganha nova vida e uma versão especial para as telonas de todo país a partir do dia 05 de outubro – data em que você confere nossa Crítica Completa. O filme “Pica-Pau”, produzido e distribuído pela Universal Pictures, conta com direção de Alex Zamm e traz o pássaro mais amado e suas travessuras para os cinemas em live-action e animação CGI.

No elenco estão a brasileira Thaila Ayala, no papel de Vanessa, e Timothy Omundson, no papel do vigarista Lance Walters. O casal planeja construir a casa dos sonhos justamente na floresta onde mora o pica-pau mais famoso e teimoso de todos os tempos, que vai defender seu território custe o que custar.

Arquiteto natural

No Brasil existem dezenas de espécies de pica-pau, uma ave de canto e comportamento característicos. Com uma estrutura única na cabeça, esses pássaros conseguem dar cerca de 100 bicadas por minuto no tronco de uma árvore para construir seu ninho. “O pica-pau faz buracos nas árvores para se abrigar e depois deixa esse espaço para que outros animais utilizem o local para ninho ou abrigo”, conta Renato Pinheiro, biólogo e professor da Universidade Federal do Tocantins.

Ele estudou o pica-pau-do-parnaíba (Celeus obrieni), espécie que acreditou-se estar extinta desde 1926, mas que apareceu em 2006, no Cerrado. Seu projeto contou com o apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza para estudar a espécie, gerando dados inéditos até então e inserindo-a na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas.

“Os resultados do estudo, que aconteceu entre 2008 e 2009, mostrou como as queimadas e o desmatamento para agricultura e pecuária colocam em risco espécies únicas da região. O pica-pau-do-parnaíba é uma espécie emblemática do Cerrado e que necessita de áreas naturais preservadas para sobreviver”, explica.

Crédito: Renato Pinheiro

Luta pela sobrevivência

O filme, apesar de ser ficção, retrata bem a realidade das aves e das áreas naturais brasileiras. De acordo com Pedro F. Develey, diretor da SAVE Brasil e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, o desmatamento e destruição do habitat natural das aves é uma das principais ameaças à sobrevivência das espécies.

“A degradação de áreas naturais prejudica as aves, pois gera a perda de seu habitat, resultando na diminuição de fontes de alimento e na oferta de locais para a construção de ninhos, por exemplo. Além disso, áreas não conservadas podem permitir a entrada (mesmo que de forma ilegal) de caçadores e pessoas que capturam aves para o comércio ilegal de animais silvestres”, explica.

Apesar de o Brasil ser o segundo país com maior número de espécies de aves, atrás somente da Colômbia, nossas aves não têm a mesma sorte que o representante famoso. Ao contrário do Pica-pau, que consegue lutar por sua casa, estima-se que cerca de 167 espécies de aves (8,6% das 1919 conhecidas no Brasil) são consideradas ameaçadas de extinção, principalmente pela redução de habitat e caça. A ararinha-azul (Cyanopsitta spixii), o mutum-de-alagoas (Pauxi mitu), a arara-azul-pequena (Anodorhynchus glaucus) e maçarico-esquimo (Numenius borealis) são espécies já consideradas extintas na natureza.

Ouvir o canto das aves, além de ser uma forma de identificação das espécies, é um importante indicador de qualidade das áreas naturais. De acordo com Pedro, a conservação de áreas naturais assegura a proteção dos habitats dos quais as aves dependem, o que mantém os processos ecológicos e a diversidade biológica. As aves são excelentes indicadores da qualidade do ambiente, funcionando como detectores de mudanças na saúde e condições do ecossistema.

“Uma situação favorável ou não para as aves geralmente reflete uma situação semelhante para outros grupos de animais e plantas, inclusive o homem”, alerta o biólogo, que também afirma: “a criação de áreas protegidas (Unidades de Conservação) é uma das maneiras mais eficazes de se preservar áreas naturais, já que minimizam a degradação do habitat, superexploração de recursos (incluindo caça, captura e pesca), poluição e invasão de espécies exóticas”, conclui.

da Redação A Toupeira

Filed in: Cinema, De tudo um pouco

You might like:

Direto da Toca: Conhecemos a Exposição “Heróis DC” Direto da Toca: Conhecemos a Exposição “Heróis DC”
Direto da Toca: Participamos da Coletiva de Imprensa da Exposição “Heróis DC” Direto da Toca: Participamos da Coletiva de Imprensa da Exposição “Heróis DC”
Direto da Toca: Participamos da Coletiva de Imprensa Virtual da 16ª Temporada de “Alienígenas do Passado” Direto da Toca: Participamos da Coletiva de Imprensa Virtual da 16ª Temporada de “Alienígenas do Passado”
Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2” Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.