Crítica: A casa que Jack construiu”

Aviso: “A casa que Jack construiu” retrata temas sensíveis, em particular violência contra mulheres, e é altamente gráfico. Se esse tipo de conteúdo causa desconforto ou incômodo, ele não é para você. A crítica por tratar dos temas e cenas presentes no filme também não é recomendada.

The house that Jack built é uma parlenda britânica – tipo de verso infantil que é usado para estimular a memória da criança – aos moldes da lusófona “A velha a fiar”, na qual vão se acumulando personagens até quantidades absurdas. É também o nome do novo filme de Lars Von Trier – que no Brasil ganhou a tradução literal de “A casa que Jack construiu”.

Jack (Matt Dillon) é um engenheiro que procura construir a casa perfeita. Porém também é um psicopata, mas mais do que isso, é um serial killer. Suas vítimas, em geral mulheres, que variam de idosas e jovens depressivas, a mães solteiras, se acumulam como os personagens da parlenda que compartilha o título com o longa, graças a um misto de sorte, habilidade, e indiferença social. Jack, por sua vez, é o próprio narrador de seus feitos, e conta a Vírgilio (Bruno Ganz), seu interlocutor, os cinco momentos mais marcantes de seu frenesi assassino.

Mais uma vez Lars von Trier nos mostra seu grande conhecimento cultural: todo o roteiro é assinado pelo diretor/roteirista, e conta com pesadas referências artísticas, sociais e históricas, e nenhuma delas é rasa. Um exemplo está em um dos próprios personagens da história, o Virgílio, e suas conversas se dão como uma Divina Comédia invertida.

Porém o domínio de Trier não para em referências, pois, a própria construção do protagonista demonstra um profundo conhecimento do desenvolvimento de um serial killer, de sua infância à escolha do tipo de vítima. Além disso, o retrato de distúrbios mentais como o TOC, ansiedade, e outros é extremamente afiado.

O paralelo entre Jack e um artista é muito explorado no filme. O perfeccionismo dele com sua obra é colocado lado a lado com cenas de Glenn Gould – um grande dos grandes pianistas do século passado, segundo o personagem, o melhor – ensaiando. Em outros momentos, temos comparações diretas entre as “obras” do assassino e obras de arte, particularmente citando Blake. Ainda mais importante, há um espelhamento de Trier em Jack, particularmente quando Virgílio comenta sobre a especificidade das vítimas do assassino, e este se defendendo argumentando que também matara homens – uma crítica muito comum aos filmes de Trier é sua violência excessiva, tanto física quanto psicológica contra mulheres.

 Os paralelos entre o longa e a rima também estão também no fato que o primeiro é um acúmulo de todos conhecimentos e domínios do diretor. A fotografia faz referência a todas as fases de sua obra: de momentos extremos de zoom e câmera se movendo freneticamente com uma saturação diferente das cores em voga, a momentos que criam verdadeiros retratos em tela.

A trilha sonora, por sua vez contém suas próprias simbologias e questionamentos. O tema principal é a Sinfonia da Partita nº 2 BWV 826 de Johann Sebastian Bach, música ensaiada por Glenn Gould nas cenas mostradas. Profundamente cerebral, a música de Bach já se fez presente em outras obras de Trier, em particular, “Ninfomaniaca, Parte 1”, onde ele destrincha parcialmente a polifonia do compositor, embora de maneira questionável. Outras faixas, m sua maioria de origem clássica, trazem suas próprias referências e simbologias que o espectador precisa escutar por si próprio para compreender.

As atuações, assim como o diretor, são afiadas: Matt Dilon consegue transmitir muito bem a falta de empatia e as “loucuras” de Jack. Bruno Ganz, embora pouco apareça, faz com sua voz um Virgílio que ao mesmo tempo é um advogado do santo e do diabo. Além disso, as mulheres também traduzem bem as expressões necessárias – merece destaque Uma Thurman, que faz bem o papel de irritante, de uma maneira que não soa exagerada, mas real.

Existem porém, alguns problemas com a produção: Para quem não está acostumado ao diretor, ele não faz questão que suas obras sejam agradáveis. A questão da violência gráfica é incômoda, ao ponto de incluir até mesmo violência contra animais e crianças, algo que mesmo para algumas pessoas fortes pode não ser fácil de ver.

A duração das sequências também envolve certo didatismo das referências, que muitas vezes o público já domina, mas na era de Google e serviços de pesquisa digital pode soar como pretensioso ou presunçoso em relação ao público.

“A casa que Jack construiu”, como todo trabalho de Lars von Trier, não é fácil. As simbologias, a violência, os incômodos, e misoginia, de certa forma, são realmente difíceis de lidar. Porém é para aqueles que apreciam títulos simbólicos e artísticos. Quem tiver estômago para aguentar, assistirá a um filme profundo, interessante, e muito bem construído.

por Ícaro Marques – especial para A Toupeira

*A estreia oficial de “A casa que Jack construiu” no Brasil está prevista para 1º de novembro, mas o filme será exibido durante a 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

Filed in: Cinema

You might like:

“Toy Story 4”: confira trailer inédito e nova imagem “Toy Story 4”: confira trailer inédito e nova imagem
Confira primeiro pôster e trailer legendado de “Detetive Pikachu” Confira primeiro pôster e trailer legendado de “Detetive Pikachu”
Para conhecer o legado de Stan Lee Para conhecer o legado de Stan Lee
Bilheteria brasileira de “Bohemian Rhapsody” já conta com mais de um milhão de espectadores Bilheteria brasileira de “Bohemian Rhapsody” já conta com mais de um milhão de espectadores
© 2018 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.