Crítica: “A Odisseia dos Tontos”

Um grupo de amigos que se unem para tentar reparar uma injustiça cometida contra eles. Esse é um tema universal e amplo o bastante para servir de base para várias produções. A mais nova delas é “A Odisseia dos Tontos” (La Odisea de los Giles), longa argentino que busca uma vaga entre os cinco candidatos ao Oscar de Melhor Filme Internacional em 2020.

Dirigida e roteirizada por Sebastian Borensztein (que esteve recentemente no Brasil junto ao produtor Federico Posternak), a comédia dramática é baseada na premiada obra literária “La Noche de la Usina”, de Eduardo Sacheri – que agora também assume o papel de roteirista da adaptação cinematográfica.

A trama se passa em 2001, no pequeno município argentino de Alsina e gira em torno do desejo de alguns habitantes de adquirirem um antigo silo desativado para criar uma espécie de cooperativa. Para isso, juntam forças e economias a fim de conseguir efetivar a compra e começar a dar formas reais à vontade de gerar empregos.

Mas, embora tenham se empenhado em atingir os valores necessários, um empréstimo bancário ainda acaba parecendo o melhor negócio para os amigos e Fermín Perlassi (Ricardo Darín) toma a decisão de solicitá-lo sem falar com os demais interessados, pois o gerente do banco afirmou que em poucas horas tudo estaria resolvido.

Só que se assim fosse, não haveria mais o que contar e uma reviravolta acontece para acabar com as expectativas dos personagens: o chamado “corralito” (cercadinho, em tradução literal), uma espécie de congelamento das contas-correntes e poupanças, que impede a retirada de grandes quantias e visa impedir a quebra do sistema financeiro da Argentina.

Para piorar, além de ter o dinheiro retido, os amigos descobrem que houve uma transação irregular entre o gerente e um advogado local, Fortunato Manzi (Andrés Parra), que possibilitou o saque de todos os dólares depositados na agência em benefício próprio. Essa é a deixa para que os protagonistas comecem a armar um plano para reaver seu dinheiro e ainda fazer a dupla de golpistas pagar por suas ações.

Embora o humor seja a base central do filme – inclusive com a tal vingança arquitetada de maneira tão eficaz quanto divertida -, também há espaço para o drama coletivo (na forma do prejuízo causado à população com as medidas radicais adotadas pelo governo) e pessoal (com alguns dos personagens passando por momentos de perda e decepção em família).

A produção é incrível. Através de um texto simples e cativante, ela consegue conquistar a simpatia dos espectadores desde o princípio e é fácil se pegar torcendo para que os “tontos” consigam sair vitoriosos. A história de cada um e as esperanças colocadas em um único sonho que pode mudar a vida de todos de maneira decisiva aproximam os personagens do público.

Destaque para as atuações de todo elenco, que consegue manter uma sintonia impecável no decorrer da história e faz com que “A Odisseia dos Tontos” seja uma ótima e surpreendente pedida para conferir nos cinemas.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão” Editora Luz da Serra lança “Minuto da Gratidão”
Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer Estrelada por Renée Zellweger, cinebiografia de Judy Garland ganha primeiro trailer
Crítica: “A Grande Mentira” Crítica: “A Grande Mentira”
Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos” Crítica: “O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.