Crítica: “Amigos para Sempre”

Algumas histórias são tão especiais que merecem ser contadas mais de uma vez. Filmado em 2017, “Amigos para Sempre” (The Upside) é o remake americano do longa francês “Intocáveis” (Intouchables), de 2012, que por sua vez é baseado no best-seller biográfico “O Segundo Suspiro”.

Apesar de saber do grande sucesso que a versão cinematográfica francesa – estrelada por François Cluzet e Omar Sy – alcançou, eu não a assisti, então, sobre os personagens sabia apenas o que me foi apresentado no material de divulgação deste novo longa dirigido por Neil Burguer. Talvez isso tenha contribuído para minha simpatia pela dupla de protagonistas, que ganha a atenção do público a cada nova experiência vivida em tela.

Phillip Lacasse (Bryan Cranston) é um escritor multimilionário que fica tetraplégico após um grave acidente de parapente. A súbita mudança imposta em sua vida, aliada à perda de sua esposa – vítima de câncer -, fazem com que perca o interesse por tudo, inclusive pela possibilidade de manter-se vivo – mesmo contando com a providencial ajuda de uma equipe de profissionais responsáveis por praticamente todas as suas necessidades, liderada por sua muito eficiente assessora Yvonne (Nicole Kidman).

Até que o acaso coloca Dell Scott (Kevin Hart) em seu caminho. Após uma inusitada entrevista de emprego, o ex-presidiário é contratado para ser o cuidador de Phillip, de quem será responsável pela manutenção de várias coisas importantes e fundamentais em seu dia-a-dia. Sem nenhuma experiência prévia na área de saúde, pode-se dizer, no mínimo, que a convivência será um grande desafio para ambos.

É interessante perceber a crescente evolução que se estabelece em tela. Ainda que com realidades tão distintas, os personagens conseguem perceber de maneira bastante natural que têm muito a ensinar um ao outro. E, por mais que as diferenças sejam gritantes, a persistência faz com que a relação que tinha tudo para dar errado já no âmbito profissional, consiga chegar ao patamar daquele tipo de amizade com a qual é provável que todos já tenham sonhado em algum momento.

O filme é bem equilibrado sem partir para o dramalhão exagerado ou para a comédia escancarada para funcionar. As situações mais delicadas – que abrangem as dificuldades físicas e emocionais que as limitações de Phillip trazem – são mostradas de modo eficiente, assim como as sequências em que Kevin Hart imprime seu talento cômico e coloca leveza em momentos mais sérios, como o que apresenta os personagens em um cenário que envolve a troca de uma sonda.

Cabe destacar as boas atuações dos protagonistas que entregam ao público uma dupla digna de aplausos e que consegue, dentro de suas particularidades emocionais e histórias de vida, obter êxito quando está junta.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema, Livros

You might like:

“Friends” é o tema da nova edição da Casa Warner “Friends” é o tema da nova edição da Casa Warner
Ragazzo lança promoção com pratos clássicos da rede pelo preço de lanches Ragazzo lança promoção com pratos clássicos da rede pelo preço de lanches
Divulgado pôster oficial de “Os Parças 2” Divulgado pôster oficial de “Os Parças 2”
Canção vencedora do Oscar, “What a Feeling” vira Flashmob em São Paulo Canção vencedora do Oscar, “What a Feeling” vira Flashmob em São Paulo
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.