Crítica: “Cyrano Mon Amour”

Dirigido e roteirizado por Alexis Michalik, “Cyrano Mon Amour” (Edmond)  conta a história de Edmond Rostand (Thomas Solivérès), jovem poeta que, após ver uma de suas peças teatrais se tornar um fracasso, tenta encontrar inspiração para uma nova obra e além de tudo, sustentar sua família – acontece que isso já dura dois anos.

Com a chegada do renomado ator Constant Coquelin (Olivier Gourmet) na cidade, Edmond lhe oferece uma comédia para atuar, o problema é que ele ainda não escreveu a peça, que viria a ser a história clássica de Cyrano de Bergerac.

Escritor que viveu no século XVII, Cyrano de Bergerac teve sua trajetória escrita em 1897. A partir daí, houve diversas adaptações em sua obra, muitos cineastas produziram novas versões retratando a vida do escritor.

O cinema francês tem se superado nas produções referentes à comédia, já que existe uma dominância dos gêneros drama e romance no país. Também vale destacar que o filme não foi gravado apenas em Paris, a produção também filmou cenas na República Tcheca.

O longa é muito divertido e a trama torna-se cada vez mais atrativa durante o decorrer da exibição. Após inúmeras confusões, tentar deduzir o final é quase impossível, tudo pode acontecer, e claro que o resultado será cômico.

O tipo de humor escolhido sai muito de situações cotidianas, como a ingenuidade, a pressão sofrida por Edmond, quando ele deve saber o que adicionar na peça, em antes mesmo de começar a escrevê-la, como um breve momento de genialidade.

Há também o hilário trabalho coletivo que o personagem tenta manter engajado, o que é bem complicado, já que seus colegas não são bem o tipo de atores dos sonhos. Os detalhes de cada cena, cada figurino e personagens, são impecáveis, o diálogo também foi bem produzido, embora seja um pouco rápido, enfatizando que todos estão sempre com pressa, prestes a realizar trabalhos, resolver problemas, e desfrutar de suas paixões.

Este é o tipo de filme que lhe fará rir do começo ao fim, pois trata-se de uma comédia inocente, com grandes confusões vividas pelo personagem principal. Prepare-se para gargalhar em curtos espaços de tempo e apreciar uma história muito bem produzida.

por Victória Profirio – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

Pessoas cegas e com baixa visão participam de teste de acessibilidade em cinema Pessoas cegas e com baixa visão participam de teste de acessibilidade em cinema
McLanche Feliz traz os filmes mais icônicos da DreamWorks em nova campanha com brinquedos sustentáveis McLanche Feliz traz os filmes mais icônicos da DreamWorks em nova campanha com brinquedos sustentáveis
Desvendando a Marvel: Produções do Disney+ para entender os Bastidores do Estúdio Desvendando a Marvel: Produções do Disney+ para entender os Bastidores do Estúdio
Mercado Livre e Omelete entregam spoilers da CCXP Mercado Livre e Omelete entregam spoilers da CCXP
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.