Crítica: “Mãe!”

Ao se falar sobre os trabalhos de Darren Aronofsky, muitas palavras – algumas pouco usuais – vêm à cabeça para ilustrá-los. Com uma autoestima invejável e a segurança de que manter-se autoral é ter uma base sólida o bastante para sustentar sua personalidade distinta na indústria cinematográfica, o diretor apresenta mais uma obra com a capacidade de dividir a opinião do público.

“Mãe!” (Mother!) é, no mínimo, surpreendente e, como o próprio diretor declarou em recente Coletiva de Imprensa, um produto difícil de vender. Mas, uma vez que se embarca na montanha russa de sensações que a obra propõe, e na beleza visual que oferece, formular uma opinião sobre ela torna-se menos complicado.

O roteiro – também de autoria de Darren – mostra a história de Mãe (Jennifer Lawrence) e Ele (Javier Bardem), casal que vive em uma casa de estilo vitoriano em época indefinida, mas cujos detalhes como os móveis, a falta de itens de tecnologia atual e até mesmo o rótulo de um vidro de remédio, nos fazem crer em um primeiro instante, tratar-se de uma trama transcorrida em anos passados – ideia quebrada no instante em que um celular é utilizado em cena por outro personagem. Ou seja: não dá para dimensionar com exatidão nem mesmo em que período tudo acontece.

A aparente calmaria – disfarçada pela monotonia que implica a esposa cuidando incessantemente da casa e o marido em busca de inspiração para voltar a ser produtivo em seu trabalho – acaba com a inesperada chegada de Homem (Ed Harris), um estranho e invasivo hóspede, cuja presença serve para mostrar o quão frágil é a relação entre os protagonistas.

A aparição de sua esposa, Mulher (Michelle Pfeiffer) e a rápida, porém marcante passagem de Filho Mais Velho (Domhnall Gleeson) e Irmão Mais Novo (Brian Gleeson), são as primeiras peças em um estranho quebra-cabeças que envolverá um legião de fanáticos, o egocentrismo descontrolado de um artista e, é claro, a explosão de sentimentos e bravura que a maternidade parece capaz de gerar. Em uma das melhores cenas, fica muito clara a interpretação para o ponto de exclamação usado no título do filme.

A tentativa de explicar mais gera o risco de estragar a experiência que se pode ter ao assistir à produção. Chega a ser estranho imaginar a quantidade de possibilidades para se enxergar a mensagem passada pela narrativa. E acredite: de acordo com a forma de pensar, cada pequeno detalhe fará sentido de uma maneira – inclusive a inicialmente estranha opção por não dar nomes aos personagens.

Talvez a bagagem emocional de cada um acabe sendo o ponto de partida para a visão pela qual a plateia conseguirá acompanhar os fatos. Seja através do cunho religioso, político, ou simplesmente poético, uma coisa parece certa: “Mãe!” será tema de altos debates – para o bem ou para o mal – entre os espectadores que forem ao cinema.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Filme de South Park sobre a pandemia desembarca na Watch Brasil Filme de South Park sobre a pandemia desembarca na Watch Brasil
“Takeshi”: Techland apresenta nova história em áudio “Takeshi”: Techland apresenta nova história em áudio
Campanha do Boticário traz Gretchen, “Rainha do Bumbum”, em clipe irreverente Campanha do Boticário traz Gretchen, “Rainha do Bumbum”, em clipe irreverente
“Insânia”, série brasileira de suspense do Star+, estreia em mais de 60 países “Insânia”, série brasileira de suspense do Star+, estreia em mais de 60 países
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.