Crítica: “Magnatas do Crime”

Não é de hoje que a indústria cinematográfica aposta em uma (estranha) espécie de glamourização da ilegalidade, tendo concebido grandes títulos com essa premissa.

O mais novo deles, “Magnatas do Crime” (Gentlemen), surge sob a direção / roteiro e produção precisos de Guy Ritchie, que entrega uma história repleta de reviravoltas e pontos que conseguem prender a atenção do público com facilidade, desde a sequência inicial ao som da ótima “Cumbeland Gap”, de David Rawlings.

Com um elenco estelar e vários personagens se destacando em algum momento, parece difícil encontrar um a quem chamar de protagonista, mas a verdade é que em todas as histórias – principais ou paralelas – um nome se faz presente de maneira impactante: o de Mickey Pearson (interpretado pelo sempre eficiente Matthew McConaughey).

Mickey é o bem sucedido detentor de um império composto pela das maiores – e mais produtivas – plantações de maconha do Reino Unido, contando para isso, com improváveis aliados, daqueles cuja idoneidade nunca seria colocada à prova à primeira vista.

É esse sucesso (e por consequência toda fortuna que veio com ele) que faz com que o personagem seja alvo de várias figuras que tencionam ocupar seu lugar, mesmo que para isso precisem tomar atitudes que desconhecem o significado de bom senso.

Entre seus aliados, o destaque fica para Ray (papel de Charlie Hunnam), cuja lealdade extrema acaba sendo posta em dúvida durante toda a produção, alternando tal pensamento em cada flashback exibido – e este é um recurso usado em grande quantidade, porém com a maestria já conhecida de Guy Ritchie.

Também vale falar sobre a qualidade do trabalho de Hugh Grant como o detetive de índole pra lá de questionável, Fletcher. É ele que serve como uma espécie de narrador para a trama, conseguindo alinhar cada acontecimento, para contar uma história rica em detalhes e surpresas.

Em dado momento, tive a impressão de que houve certo desequilíbrio do roteiro, que fez uso de um artifício que flertou com o mau gosto absoluto – embora a sequência não tenha nada de explícito, tudo fique subentendido. É aquele ponto em que é possível entender a motivação, mas não dá para justificar o ato.

Fora essa “derrapada”, e embora talvez pudesse ter uma duração um pouco menor, “Magnatas do Crime” é um filme muito envolvente e que, ainda que não acrescente nada novo ao gênero (o que está longe de ser um problema), consegue se reinventar a cada reviravolta apresentada pelo inteligente roteiro.

Vale conferir.

por Angela Debellis

*Título assistido via streaming, a convite da Paris Filmes.

Filed in: BD, DVD, Digital, Cinema

You might like:

Looke Kids passa a disponibilizar assinatura independente Looke Kids passa a disponibilizar assinatura independente
Vivo libera sinal dos canais HBO Vivo libera sinal dos canais HBO
“Os Croods: Uma Nova Era” terá sessões antecipadas a partir de 25 de dezembro “Os Croods: Uma Nova Era” terá sessões antecipadas a partir de 25 de dezembro
A animação “Soul”, da Pixar, tem novo pôster e trailer dublado divulgado A animação “Soul”, da Pixar, tem novo pôster e trailer dublado divulgado
© 0839 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.