Crítica: “Obsessão”

Dirigido pelo magnífico Neil Jordan, de “Entrevista com o Vampiro” e “Traídos pelo Desejo”, e apesar de não apresentar grandes novidades cinematográficas quanto a relações obsessivas, o suspense “Obsessão” (Greta) tem um diferencial: desta vez, o personagem mentalmente perturbado e perturbador é interpretado por uma mulher.

O longa é objetivo e já na primeira cena vemos Frances McCullen (interpretada por Cloë Grace Moretz) encontrar um bolsa verde em um vagão do metrô de Nova York. A garota tenta deixá-la no “achados e perdidos”, mas como o enredo precisa de um desenvolvimento, ela não consegue e toma a decisão de devolvê-la, afinal, o endereço da proprietária está dentro da bolsa.

Ao chegar à residência, a jovem conhece Greta (Isabelle Huppert), uma mulher francesa, madura e aparentemente solitária, que perdeu o marido e cuja filha estuda na França. Greta é dócil e gentil, o que comove Frances, uma vez que acabara de perder a mãe e possui uma péssima relação com pai.

O thriller de suspense não demora muito para revelar a antagonista, e logo Frances descobre que Greta tem o caráter duvidoso, e é a partir de sua decisão de se afastar da mulher que seu drama tem início. A garota é cercada de todas as formas: ligações, mensagens de textos, visitas ao trabalho, perseguições a ela e sua amiga.

A atuação de Cloë Grace Moretz é sempre muito linear: apesar de possuir dezenas de filmes no currículo, a atriz nem sempre consegue trazer emoção aos personagens, o que não foi diferente em “Obsessão”.

Por outro lado, temos a atuação extraordinária de Isabelle Huppert: a veterana mostra toda sua capacidade de convencimento ao ir da simples mulher que quer uma companhia de uma amiga para um passeio ou jantar a uma psicopata que persegue, aprisiona, tortura e assassina – tudo isso enquanto toca piano, canta e dança. Huppert é uma das melhores atrizes europeias, atualmente (lembrando que em 2017 recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz pelo seu trabalho em “Elle”).

Como caraterística do gênero, o filme não tem cenas assustadoras, porém algumas trazem certas emoções à tona e em certos momentos alguém claustrofóbico pode se sentir um pouco aflito. Há também tentativas de pequenos sustos, nada aterrorizante.

A direção de Neil e a atuação de Isabelle dão à obra um toque de sofisticação, e a transformam em um filme dramático, uma ficção muito bem trabalhada que traz para realidade discussões sobre psicopatas sociais.

por Carla Mendes – especial para A Toupeira

Filed in: Cinema

You might like:

“Friends” é o tema da nova edição da Casa Warner “Friends” é o tema da nova edição da Casa Warner
Ragazzo lança promoção com pratos clássicos da rede pelo preço de lanches Ragazzo lança promoção com pratos clássicos da rede pelo preço de lanches
Divulgado pôster oficial de “Os Parças 2” Divulgado pôster oficial de “Os Parças 2”
Canção vencedora do Oscar, “What a Feeling” vira Flashmob em São Paulo Canção vencedora do Oscar, “What a Feeling” vira Flashmob em São Paulo
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.